O que representa o Projeto Athena, da Intel, para os laptops

Mark Hachman/PC World EUA
08/01/2019 - 15h45
Bateria de até 20 horas será um dos diferenciais

Há cerca de oito anos, a Intel ajudou a inaugurar a era dos notebooks finos e leves, chamados ultrabooks. Agora, ela e alguns dos seus parceiros estão prontos para levar o ultrabook ao próximo nível com o “Projeto Athena”, em um roteiro que está sendo revelado na CES 2018.

Os executivos da Intel dizem que têm o apoio de parceiros como Acer, Asus, Dell, Google, HP, Lenovo, Microsoft, Samsung, Sharp e até o Google. Ou seja, muito em breve estarão disponíveis Chromebooks com "Athena". Ainda não foram detalhadas todas as especificações do projeto, mas o cronograma diz que os primeiros laptops serão lançados no segundo semestre de 2019.

Era dos ultrabooks?

Os ultrabooks foram lançados em 2011, possivelmente como resposta ao incrivelmente fino Macbook Air que o CEO da Apple, Steve Jobs, estava lançando. Mas os dispositivos do Projeto Athena não ficarão ainda mais finos. De acordo com Josh Newman, gerente-geral de segmentos de inovação móvel da Intel, o objetivo do Athena é que os fabricantes de PCs ofereçam melhor desempenho e vida útil da bateria – de até 20 horas – no que ele chamou de fator de forma já “suficientemente fino”.

Foco na plataforma

O hardware do Projeto Athena é atualmente exclusivo dos processadores da Intel. Mas com o Athena, a empresa está adotando uma abordagem colaborativa que quebra o ultrabook original.

A Intel lançou originalmente uma versão de voltagem ultrabaixa dos processadores Intel Core de segunda geração, depois a plataforma ultrabook. Alguns dos primeiros portáteis Athena estreando em 2019 serão baseados em “Ice Lake”, a arquitetura de 10nm que a Intel também anunciou na CES. O Ice Lake é baseado na arquitetura de Sunny Cove, confirmou Newman, com melhorias significativas no desempenho.

Mas o Projeto Athena não é projetado especificamente para Ice Lake. Em vez disso, ele é construído para as gerações contínuas de processadores de baixa potência da série U e Y da Intel. Eles estão sendo projetados em plataformas de PC específicas por meio de parcerias com engenheiros da Intel e membros das equipes de design de PC. E, claro, isso soa familiar. O HP Specter Folio também foi projetado de forma colaborativa e os interessados verão as mesmas parcerias estendidas a outros designs premium em todo o setor. Existe até um processo de certificação “Projeto Athena”, embora isso acabe por adotar uma marca mais formal.

O que esperar do Projeto Athena?

A Intel e seus parceiros já possuem um plano para os dispositivos Athena, juntamente com alguns números e especificações iniciais para orientar seu desenvolvimento. Um exemplo: a empresa descartou laptops 9mm e mais finos, já que eles não oferecem o volume para incluir uma bateria considerável. Os designs de laptops com ventiladores podem ter 15mm de espessura e assim por diante. Mas os objetivos do Projeto Athena são muito mais holísticos por natureza.

"Ele realiza três coisas, três experiências-chave que podemos fornecer no laptop", disse Newman sobre a missão do Projeto Athena. “Uma é a melhor capacidade de se concentrar. A segunda é a capacidade de se adaptar às mudanças nas necessidades e papéis das pessoas conforme elas se movem ao longo do dia. E a terceira coisa é que o laptop precisa estar sempre pronto. Não importa onde esteja, o laptop precisa estar pronto. Não há mais espera”.

Apesar de os consumidores estarem acostumados a pensar em notebooks em termos de preço e desempenho, a vida da bateria surge como uma terceira consideração importante. Mas Newman disse que a Intel e seus parceiros veem os dispositivos da Athena evoluindo em até seis vetores diferentes:

1. Ação instantânea

Um laptop Athena deve passar de um estado de suspensão para estado de vigília imediatamente. "Quando você abre a tampa ou dá um comando de voz, ele precisa responder instantaneamente. O bom é que você pode ter a confiança de que pode abrir a tampa, concluir a tarefa e depois fechá-la. Isso fará com que você feche a tampa e conserve a vida útil da bateria”, disse Newman.

2. Desempenho / capacidade de resposta

Esse é o tradicional lema da Intel. Mas Newman afirmou que a Intel não está pensando em quão rápido a CPU realiza uma única tarefa, mas sim como o laptop responde com vários arquivos e aplicativos abertos simultaneamente. O objetivo é "livrar-se do círculo giratório" no Windows e a "bola de praia" nos Macs.

3. Inteligência Artificial

O objetivo aqui, explicou Newman, é menos sobre assistentes digitais do que o laptop para ajudá-lo a se concentrar de forma inteligente, abrindo silenciosamente outros arquivos relacionados ao selecionar uma planilha, por exemplo, ou filtrando distrações externas. Embora Newman não citasse especificamente a Microsoft aqui, essas tarefas parecem muito o que a empresa está tentando realizar com recursos como Timelin, Microsoft Search e Focus Assist, que foram discretamente adicionados ao Windows e ao Office ao longo do tempo.

4. Vida útil da bateria

Newman nunca mencionou a Qualcomm, mas a Intel precisa ter a Qualcomm e seu chip Snapdragon 8cx em seus espelhos. Novamente, isso não significa apenas minimizar a potência da CPU. "É sobre as configurações mais conhecidas, trabalhando com o ecossistema nos componentes de menor consumo de energia, reunindo-os nas melhores receitas para maximizar a vida útil da bateria em cenários de usuários do mundo real", comenta Newman.

Espera-se ver mais ênfase no trabalho colaborativo da Intel em painéis de 1 watt, juntamente com melhorias não reveladas na tecnologia de baterias. Todos esses componentes de baixa potência, reunidos, serão combinados para formar as “receitas” descritas por Newman.

Uma métrica que a Qualcomm e a Intel podem ajustar é exatamente como a vida útil da bateria é medida. A experiência de computação de nenhum usuário é exatamente igual, e um dia de uso de um notebook em uma universidade ou em uma conferência de vendas é muito diferente do que editar um vídeo. Os testes de resumo de vídeo, embora simples e efetivos, podem ser substituídos por outra coisa.

5. Conectividade

A Intel e seus parceiros continuam planejando “conexões simples, automáticas e seguras”, disse Newman. Gigabit Wi-Fi e Wi-Fi 6, com 4G LTE em transição para 5G no longo prazo.

6. Fator de forma

A Intel e seus parceiros não planejam redesenhar radicalmente o PC muito além dos designs 2 em 1 e clamshell já existentes no mercado. Tampouco imaginam tornar os laptops Athena mais finos do que os PCs finos e leves de hoje. Mas eles imaginam que o footprint diminuirá, aparando as molduras de modo que a base de um laptop possa diminuir sem reduzir o tamanho da tela, por exemplo. As chaves aqui estão minimizando o peso e também, a temperatura. 

No futuro, porém, o céu é o limite. Newman mencionou especificamente que os dispositivos de tela dupla, como o próprio protótipo “Tiger Rapids” ou o Asus Project Precog, bem como dispositivos com telas dobráveis, podem ser apresentados em futuras iterações do hardware da Athena.

Primeiras especificações para 2019

Como parte do Programa de Excelência em Inovação que ajudou a entregar o HP Spectre Folio, a Intel ajudará seus parceiros com whitepapers, projetos de referência, documentos técnicos e outros IPs. Embora a empresa espere que os projetos comecem como produtos premium, Newman afirma que a Intel espera que eles se difundam para mais produtos mainstream de mais fabricantes de PCs.

“Esperamos que, ao longo do tempo, não apenas atinja nossa estrela norte dos projetos do Projeto Athena, mas também melhore a experiência de todos os laptops no mercado, o que é muito semelhante à experiência que observamos com o ultrabook”, frisa Newman.

Ainda que não se saiba como serão os primeiros dispositivos Athena, ou como serão chamados, Newman revelou alguns dos recursos comuns e metas de projeto para o hardware Athena 2019, que a Intel provavelmente começará a compartilhar na CES.

Primeiro, todo o hardware da Athena pesará menos de três libras, embora isso não pareça gravado em pedra. A Intel e seus parceiros estão mais preocupados com a combinação certa de vida de bateria do que com qualquer outra coisa. A companhia também não divulgou nenhuma diretriz para as dimensões físicas de um PC Athena. Alguns (nem todos) dos hardwares Athena também usarão processadores móveis Ice Lake da Intel.

A duração da bateria também deve melhorar de ano para ano em todos os projetos da Athena. Mas o objetivo final da bateria não foi definido, já que Newman disse que os engenheiros da Athena ainda estão determinando a combinação apropriada de tarefas e cargas de primeiro e segundo planos, brilho de 250 a 300 nits no mundo real e outros fatores. Esse trabalho será concluído no próximo mês.

Isso pode significar que o hardware vem com uma duração estimada de 20 horas e mais em termos de reprodução de vídeo. "Mas o que estamos realmente focados é o que é a métrica certa para o que os usuários fazem em suas configurações típicas, o que é realmente novo", observa Newman.

Todo o hardware da Athena incluirá carregamento USB-C, incluindo carregamento rápido. Parece, felizmente, que os dias de carregadores de PC proprietários irão desaparecer lentamente ao longo do tempo. Em termos de conectividade, cada laptop Athena terá pelo menos uma porta Thunderbolt 3 e Gigabit Wi-Fi. Alguns dispositivos também incluem o 4G LTE.

Em certos casos, a Intel está trabalhando com fabricantes de PCs para permitir soluções simples de compartilhamento de telefone. Isso pode ir além da conectividade, já que Newman destacou os aplicativos internos do Windows, como o app Your Phone do Windows 10 ou o Dell Mobile Connect . A conectividade também se estenderá ao modo de espera moderno conectado, o que deixará o hardware Athena em um estado conectado, mesmo quando estiver no modo de suspensão. Da mesma forma, todos os Chromebooks Athena suportarão o que o Google chama de "Lucid Sleep", que também os coloca em um modo conectado quando em estado suspenso.

Desempenho e capacidade de resposta estão no centro do hardware do Projeto Athena 2019, disse Newman. "E queremos manter esse desempenho quando eles funcionam com bateria", acrescentou.

Há muito mais do que o Newman, a Intel e seus parceiros deixaram por dizer - ou seja, que o mundo está evoluindo para um lugar onde a outra grande plataforma móvel, o smartphone, ameaça o trono do computador pessoal há anos. Mas depois que as vendas de PCs começaram a cair - e os alarmes começaram a soar - durante boa parte de 2016, o mercado de PCs começou a mostrar sinais de vida e até mesmo um crescimento renovado no final de 2017 e em 2018. Um PC que vai sobreviver e talvez até prosperar, exigirá inovação contínua.

Isso significa defender o PC. "Conhecemos o PC e acreditamos profundamente que o PC é onde as pessoas fazem as coisas mais importantes para eles", finalizou Newman. Athena será a próxima fase na evolução do PC móvel.