Nintendo vai deixar de produzir consoles retrô NES e SNES Classic

Da Redação
17 de dezembro de 2018 - 09h00
Segundo presidente da fabricante, as reedições dos videogames dos anos 1980 e 1990 não serão mais produzidas após o fim dos estoques do final de ano

A Nintendo anunciou que vai encerrar a produção das reedições dos seus consoles clássicos Super Nintendo e “Nintendinho”, o SNES Classic (foto acima) e o NES Classic (foto abaixo), respectivamente. A informação foi revelada em uma entrevista recente do presidente da Nintendo America ao site The Hollywood Reporter, em que o executivo destacou que os videogames deixarão de ser produzidos na região depois que acabarem os estoques para as festas de final de ano.

“Nós trabalhamos muito duro, tanto com o NES Classic quanto com o SNES Classic, para realmente ter os melhores jogos que definiram aquela geração. Dissemos que os sistemas atuais são a extensão do nosso programa clássico. Também fomos claros sobre o fato de que, pelo menos na perspectiva das Américas, esses produtos estarão disponíveis nas festas de final de ano e uma vez que esgotarem, eles acabaram. E é isso”, afirmou.

nesclassic2016_625.jpg

Na ocasião, o executivo também falou sobre como os gamers poderão continuar acessando os conteúdos dos seus consoles clássicos após encerrar a produção do NES e do SNES Classic. “A maneira como os consumidores poderão continuar participando com o nosso conteúdo clássico será por meio do Nintendo Switch Online, e acabamos de lançar três jogos (Ninja Gaiden, Wario’s Woods e Adventures of Lolo) da geração do NES nesta plataforma.”

Lançadas entre 2016 e 2017, as reedições do NES e do SNES fizeram bastante sucesso nos últimos anos ao fornecer uma forma de gamers das antigas revisitarem as suas infâncias, além de apresentar esses sistemas clássicos dos anos 1980 e 1990 para novas gerações de jogadores. Para isso, a fabricante apostou em um formato que envolvia dimensões pequenas, já que se tratam de mini-consoles com jogos na memória, e preços acessíveis – pelo menos em mercados internacionais como os EUA.