Proteste orienta consumidores da Nikon após empresa sair do Brasil

Da Redação
26 de setembro de 2018 - 15h00
Associação explica a usuários sobre como proceder para usar a garantia em consertos de produtos da fabricante de equipamentos fotográficos.

A Proteste publicou nesta semana um comunicado para auxiliar os clientes da fabricante de câmeras e produtos fotográficos Nikon, que anunciou recentemente o fim das suas atividades no Brasil.

Entre outras coisas, o comunicado busca orientar como os donos de equipamentos da companhia devem proceder para poder consertar seus produtos da marca daqui para frente. 

Como a Nikon afirmou na época, os produtos ainda com garantia válida terão seus consertos honrados pela empresa no país. Já quem possui uma câmera, lente ou outro aparelho da marca que não esteja mais coberto pela garantia, terá “os serviços de assistência técnica assumidos diretamente pela marca nos Estados Unidos” – em ambos os casos, a solicitação deve ser feita por meio de um formulário on-line.

“A Proteste lembra que em caso de envio de produtos para reparo nos locais disponibilizados pela rede, nem mesmo o envio ou frete pode ser cobrado do consumidor, se o produto estiver no prazo de garantia”, afirma a associação.

Além disso, a Proteste destaca que, mesmo após deixar o Brasil, a Nikon “não deixa de se submeter às regras brasileiras quanto a garantia prevista em lei, cumprindo o prazo de 30 dias para o conserto, independentemente de ter que enviar o produto a outro país onde há assistência técnica”.

Por fim, a associação de consumidores destaca que os consumidores devem entrar em contato pelo site www.proteste.org.br ou pelo telefone 0800 282 2207 caso tenha alguma dificuldade com o cumprimento da garantia pela Nikon.