Celulares deverão indicar nível de radiação emitida, determina Anatel

Da Redação
24 de setembro de 2018 - 17h00
Agência determinou novas diretrizes para fabricante de celulares que comercializam aparelhos no Brasil; Empresas têm até 120 dias para se adequarem

Fabricantes de celulares deverão informar ao público quanta radiação seus aparelhos emitem, definiu a Anatel na última semana. As companhias têm cerca de 120 dias para se adequarem à nova mudança. 

Na prática, os aparelhos comercializados no Brasil deverão carregar um alerta de forma semelhante ao que acontece nos cigarros e as informações nutricionais de alimentos. No caso dos dispositivos, um selo deverá informar que o produto “atende o limite de SAR estabelecido pela Anatel de 2,0 W/kg”. Da sigla em inglês, SAR significa “taxa de absorção específica”, que determina quanto da energia emitida por um dispositivo é absorvida pelo corpo humano. Quanto maior o nível de absorção, mais arriscado é o uso do aparelho.

A medida da Anatel também exige a publicação de outro alerta que deve esclarecer aos clientes que o celular deve ser mantido a uma distância mínima de 1,5 centímetro do corpo “para garantir conformidade com os limites de exposição de radiofrequência”, diz a agência.

Muitos cientistas têm se dedicado a investigar o impacto da super exposição de celulares a nossa saúde, dado o fato de que esses dispositivos se tornaram inseparáveis de nossas rotinas. Mas até hoje não há estudos conclusivos que apontem a influência negativa desses aparelhos em nossa saúde.