Intel mostra como PCs conseguirão antecipar necessidades dos usuários

PC World / EUA
08 de junho de 2018 - 18h00
Fabricante prepara versão dos NUCs com a assistente Alexa, da Amazon, além de trabalhar para adaptar os chips Movidius com foco em Inteligência Artificial

Há algo acontecendo com os PCs da Intel por trás das cenas. Eles estão ficando mais inteligentes. A Intel visualiza um futuro em que o PC irá simplesmente antecipar os seus hábitos e agir de acordo com isso. Mas não está claro quando esse futuro irá chegar, o quanto essa visão será realista, ou se os consumidores irão tolerar um computador que prevê todos os seus passos.

O que sabemos é o seguinte: a Intel está desenvolvendo uma versão futura dos seus PCs minúsculos, os NUCs, com a assistente Alexa, da Amazon, já embutida. O Intel NUC “Bean Canyon” – Bean para “coffee bean”, ou o chip “Coffee Lake” embutido dentro dele – chega ainda neste ano. (A Intel está trabalhando com a Amazon para obter a certificação.) 

Enquanto isso, a Intel está adaptando os seus chips Movidius para “chips AI” (AI, de Inteligência Artificial em inglês) que irão empoderar essas experiências inteligentes futuras.

Durante a feira de tecnologia Computex, realizada nesta semana em Taipei, o director de marketing da divisão Intel NUC, Bruce Patterson, mostrou os Movidius Compute Sticks conectados em um NUC. Esses Sticks estavam rodando uma nova versão da Movidius’ Myriad X, uma unidade de processamento visual com uma engine de computação incorporada dentro dela. 

Em uma demonstração, o Compute Stick mostrou sua habilidade de reconhecer rostos enquanto um trailer de um filme era exibido. Apesar de o software estar fazendo buscas e identificando rostos assim que elas apareciam na tela, a CPU principal estava rodando com uma utilização abaixo de 20%, descarregando isso para o próprio chip Myriad X. 

Se você nunca ouviu falar da Movidius ou do Myriad X antes, não se preocupe. A Intel comprou a Movidius em 2016, quando a empresa estava publicamente desenvolvendo chips de visão computacional para interpretar o que eles poderiam visualizar a partir de diversas câmeras espalhadas ao redor de um carro, como um precursor dos carros autônomos. Desde que comprou a companhia em questão, no entanto, a Intel começou a combinar a habilidade da Movidius de “enxergar” com a inteligência que vem adicionando por trás das cenas.

“Espero que isso venha a se tornar tão normal que você apenas irá colocar na placa-mãe”, afirmou Patterson sobre o Myriad X. (A Asus aparentemente já fez isso, segundo um anúncio nesta semana, mas ainda não está claro se o chip está ativamente fazendo algo.)

Então o que mais precisa acontecer? Segundo a Intel, os desenvolvedores precisam de suporte para o Windows ML, a linguagem de Machine Learning (Aprendizado de Máquina) que a Microsoft estreou no ano passado com o Windows 10. Essa tecnologia ainda está na sua fase inicial, uma vez que as próprias equipes de produtos da Microsoft mostraram como o Windows ML poderia eventualmente ser usado para “ler” textos no mundo real e importá-los para apps como OneNote.

Por enquanto, a Inteligência Artificial dentro da experiência do PC ficará mais dentro do espaço do varejo. A Intel está se aproximando de diversos desenvolvedores de software. Uma vez que o Windows ML começar a ser usado pelos desenvolvedores no decorrer deste ano, “é quando vamos ver mais experiências do consumidor começarem a acontecer”, afirmou Patterson.

Imagine, afirmou o executivo, se o seu computador pudesse ver quem você é, ou simplesmente saber que você acessa o Outlook todos os dias às 9h da manhã. “Então a ideia é que você se sentaria às 9h, e o Outlook já estaria aberto”, disse. O seu PC poderia “ver” você sentando, reconhecer o horário, e outras coisas do tipo. Entender os seus hábitos significa que o seu PC poderia antecipá-los.

No entanto, não está claro como a Intel planeja realmente arquitetar esse futuro. Apesar de a Intel claramente influenciar o design de hardware, desde as câmeras de profundidade usadas pelo Windows Hello até novos protótipos com duas telas, a empresa enfrenta dificuldades para impulsionar software e serviços voltados ao consumidor como True Key para o grande público.

A Microsoft claramente tem algo a dizer sobre como os consumidores deveriam estar usando a Inteligência Artificial para beneficiar as suas vidas. E com empresas como o Facebook novamente tomando as manchetes por compartilhar dados sem o conhecimento dos usuários, eles também terão algo a dizer.

De qualquer forma, o Myriad X deu os primeiros passos em um caminho já testado e aprovado em direção à integração: primeiro um chip discreto em uma placa ou aparelho externo, então um chip montado diretamente na placa-mãe, e depois um componente chipset ou mesmo funcionalidade dedicada dentro da CPU. Isso já aconteceu antes com áudio e gráficos básicos integrados. A Intel está claramente contemplando um futuro em que um PC mais inteligente é empoderado por Intel Inside.