Um olhar para o futuro: como serão os Macs em 2020?

Jason Snell, Macworld / EUA
07 de junho de 2018 - 09h00
A Apple negou que vá unir o iOS e o macOS durante a WWDC 2018, nesta semana nos EUA. Mas como a plataforma de computadores da empresa estará daqui alguns anos?

Foi uma pergunta tão absoluta quanto possível. A Apple está combinando o iOS e o macOS? “Não”, afirmou o diretor de software da empresa, Craig Federighi, com um acompanhamento visual em letras garrafais na tela enorme no palco da WWDC 2018.

E, mesmo assim, o executivo fez essa afirmação apenas momentos antes de revelar um novo sistema, desenvolvido há anos pela Apple, que permitirá que os desenvolvedores de aplicativos iOS levem esses apps para o Mac de maneira mais fácil. E a primeira a usar isso será a própria Apple, que está utilizando essa abordagem para traduzir apps do iOS como Stocks, Voice Memos, News e Home para o macOS Mojave, que deve chegar aos usuários no final do terceiro trimestre. 

Apesar de o Mac e o iOS não estarem se fundindo, a empresa prepara mudanças importantes para o Mac e os aplicativos que a plataforma roda. É difícil imaginar como o Mac de daqui uns anos não estará povoado por apps vindos do iOS. E, mesmo assim, afirma a Apple, o Mac permanecerá o Mac. 

Mas o que isso significa? O que irá definir o Mac em 2020?

macosmojave_625.jpg

O que faz um Mac?

Vamos começar levando em conta exatamente o que Federighi disse no palco da WWDC nesta semana. “Nós amamos o Mac, e nós amamos o macOS porque ele é explicitamente criado para a ergonomia única do hardware do Mac, como a ergonomia do teclado e do trackpad, a flexibilidade nas telas e no armazenamento, e por causa do poder que exibe, ela permite que o Mac consiga fazer quase qualquer coisa.”

Em uma entrevista para a Wired, o executivo afirmou o seguinte: “Ainda é o macOS, você ainda tem o Terminal, você ainda pode conectar quatro monitores a ele, você ainda pode conectar drives externos”.  

Então para a Apple, o Mac é definido pelos seus atributos físicos, flexibilidade do hardware e o poder computacional exibido. 

Algumas dessas definições são mais claras do que outras: é improvável que os aparelhos ofereçam telas modulares e aparelhos de armazenamento em algum momento. Não tenho certeza se consigo conceber o iOS sem nunca ter uma ferramenta como Terminal – talvez apenas porque parece inevitável que o desenvolvimento de apps um dia será possível no iOS – mas posso aceitar que o sentimento de “Velho Oeste” do macOS, em que você pode arbitrariamente instalar, compilar e escrever software, dificilmente será refletido no iOS em algum momento. 

No entanto, parece que a afirmação de Federighi sobre a “ergonomia única” do Mac pode ser questionada. Em primeiro lugar, a própria Apple vende um teclado físico para o iPad Pro, além de permitir que os usuários movam os dedos como se estivessem usando um trackpad ao editar um texto. E se o iPhone e o iMac Pro são realmente muito distantes um do outro, não é possível dizer o mesmo do MacBook e do iPad Pro.

Em sua entrevista para a Wired, Federighi também descartou totalmente a ideia de que a Apple possa lançar um MacBook com uma tela sensível ao toque. E, mesmo assim, um dos principais argumentos da Apple contra o touchscreen no macOS – o fato de que o software do Mac seria feito com o teclado e mouse/trackpad em mente – se tornará rapidamente obsoleto à medida que mais apps vindos do iOS apareçam no Mac ao longo de 2019 e 2020.

É uma posição difícil para a Apple estar, porque é claro que a empresa nunca irá comentar sobre produtos futuros, mas ainda é uma pergunta aberta se a barreira entre o iPad Pro e o MacBook é imutável ou está mudando. Até que a Apple lance um laptop iOS ou um MacBook com uma tela touchscreen – ou ambos – não saberemos se a Apple decidiu redesenhar as linhas. 

Mas é difícil pensar que a Apple evitaria oportunidade legítimas de crescer a plataforma iOS apenas por medo de pisar no “terreno sagrado” do Mac.

iOS Pro

Em um mundo em que apps relevantes do iOS podem ser levados ao Mac com facilidade, a diferença entre o Mac e o iOS será a flexibilidade e o poder sobre os quais Federighi falou na conferência desta semana.  

Uma mudança interessante neste sentido pode estar acontecendo na Mac App Store, onde a Apple parece estar liberando algumas das restrições que antes barravam apps na sua loja.

No macOS Mojave, a Apple adicionou alguns procedimentos de segurança que permite que os apps peçam por permissão para acessar informações que eram antes barradas nos aplicativos oferecidos pela Mac App Store. E talvez não coincidentemente, a keynote da WWDC 2018 trouxe vários apps que nunca tinham aparecido na Mac App Store – ou que tinham saído da loja por conta das políticas da Apple. Esse é um sinal encorajador de que a Apple reconhece que, para além da avalanche potencial de apps no Mac com origem no iOS, a Mac App Store precisa ser povoada pelos tipos de aplicativos que não são possíveis no iOS – e isso exige mais flexibilidade por parte da Apple. 

Fico extremamente tentado em dizer que o Mac de 2020 vai incluir o melhor da iOS App Store, mais os tipos de apps que melhor aproveitam o poder e a flexibilidade do Mac. Você sabe, coisas como Photoshop, Final Cut Pro e Logic Pro. Mas a verdade é que o iOS está ficando tão poderoso que não há razão pela qual o Final Cut ou Logic Pro não poderiam existir no iOS.

Não, um profissional gabaritado de vídeo provavelmente não irá editar um filme em 4K em um iPad Pro. Mas ele também não irá usar um MacBook de entrada para isso. Se for permitido que o iOS continue crescendo e adaptando, é difícil imaginar que a Apple vá erguer barreiras artificiais no iOS apenas para proteger algumas áreas sagradas do Mac.

Como um usuário de Mac “das antigas”, estou animado em ter apps iOS traduzidos para o meu Mac – já passou da hora de o aplicativo Home aparecer no macOS. Mas por conta da trajetória do iOS, é difícil não ver isso como uma abordagem temporária para tornar o Mac mais útil e viável até o ponto em que o próprio iOS tenha o poder para conseguir fazer quase qualquer coisa. Isso provavelmente ainda vai levar um tempo, mas parece mais próximo nesta semana do que na semana passada.

  • # Tópicos
  • # Mac