Windows 10 registra maior queda em número de usuários desde lançamento

Computerworld / EUA
03/04/2018 - 12h31
Lançado em 2015, sistema da Microsoft viu base de usuários cair 0,8 ponto percentual em março, segundo dados da Net Applications.

Logo quando parecia que o Windows 10 estava em um momento bom, o sistema registrou a sua maior perda de usuários no mês passado, segundo novos dados.

De acordo com a companhia de pesquisas Net Applications, o Windows 10 perdeu 0,8 ponto percentual da sua base de usuários – uma estimativa dos PCs que rodam o sistema – em março, fechando o último mês com uma presença em 33,3% dos PCs do mundo e 37,4% do sistemas Windows (o segundo número é maior do que o primeiro porque o Windows responde por 88,9% de todos os sistemas operacionais, não 100%).

Essa foi a maior queda já registrada pelo Windows 10, que vem em uma tendência de alta desde o seu lançamento oficial, no meio de 2015. Esse movimento não foi uma linha reta, como a queda de março mostra, mas tem sido impressionante, com uma média superior a 0,8 ponto percentual ao mês. 

É certo que o Windows 10 registrará novos ganhos de usuários – até porque não há nenhuma alternativa razoável ao Windows 7, que será aposentado em janeiro de 2020 – e que mês passado foi um revés. Mas essa queda significativa foi acompanhada por um crescimento ainda maior do Windows 7: o já veterano sistema ganhou 1,8 ponto percentual em março, encerrando o mês com 43,4%, um pouco mais do que a Net Applications tinha registrado em novembro de 2017.

Essa alta do Windows 7 é uma notícia ruim por diferentes motivos.

Primeiro, se ela for realmente precisa – e não ha nenhuma garantia sobre medições de terceiros – então o Windows 7 terá um número ainda maior de usuários do que o esperado quando deixar de receber suporte da Microsoft daqui a 21 meses.

Usando a média dos últimos 12 meses, a Computerworld dos EUA prevê que o Windows 7 responderá por cerca de 38% das máquinas Windows do mercado em janeiro de 2020. Já o Windows 10 deverá estar presente em 56% dos laptops e desktops com o sistema da Microsoft.

Em segundo lugar, essa alta do Windows 7 bagunça as previsões sobre quando o Windows 10 vai superar o Windows 7 em presença nas máquinas Windows. Antes prevista para agosto, essa troca de posições agora só deverá acontecer em dezembro, levando os números de março em conta.

E, por fim, essa alta na base de usuários do Windows 7 também levanta suspeitas sobre problemas na própria medição, talvez por conta de bots fraudulentos – que foram removidos pela Net Applications no ano passado – e que tenham retornado com sede de vingança.