60% dos apps Android potencialmente maliciosos foram encontrados com uso de IA

Da Redação
15/03/2018 - 18h45
Google divulgou relatório anual de segurança do Android. Ferramenta Google Play Protect impediu que 1,6 bilhão de apps fossem baixados pelos usuários

O uso de inteligência artificial para detectar aplicativos Android potencialmente maliciosos tem dado resultado, segundo o Google. A companhia divulgou nesta quinta-feira (15) seu estudo "Android Security 2017 Year In Review" e revelou que 60,3% dos apps que poderiam causar dor de cabeça aos usuários foram filtrados pelo Google Play Protect

O serviço usa, entre outras técnicas, modelos de machine learning para conseguir detectar, além de possíveis malwares, conteúdos inapropriados para a plataforma. De acordo com o estudo, a ferramenta removeu 39 milhões de apps questionáveis e impediu que outros 1,6 bilhão de apps fossem baixados pelos usuários - e isso apenas em 2017. 

Como funciona

O Play Protect está presente nos aparelhos Android a partir da versão 4.3, o que compreende cerca de 2 bilhões de dispositivos atualmente. A ferramenta revisa todos os dias mais de 50 bilhões de aplicativos e essa revisão automática - feita 24 horas por dia - levou a remoção dos milhares de apps que não entraram nos parâmetros de segurança do Google. 

No mesmo relatório, o Google lembra que dispositivos Android que apenas utilizam aplicativos baixados da loja oficial Google Play estão mais seguros - no caso 9 vezes menos propensos a obterem um app potencialmente perigoso do que aqueles que recorrem a outros sites para encontrar apps.

A medida que os próprios modelos de machine learning do Google ficam mais sofisticados com o tempo, o Play Protect também aumenta sua capacidade e robustez para identificar ameaças. No relatório recente, em 2017 o Play Protect preveniu 74% das instalações de aplicativos que poderiam ser desastrosas. Esse número foi de 55% em 2016.