Microsoft fecha cerco contra apps 'scareware' que tentam assustar usuários

PC World / EUA
01/02/2018 - 22h33
A partir de março, Windows Defender vai remover os aplicativos de otimização e limpeza que enviarem mensagens alarmantes ou coercitivas para consumidores.

O aplicativo Windows Defender, que vem embutido em todo PC Windows 10, é considerado o mínimo para proteger o seu computador contra vírus e malwares. A Microsoft anunciou nesta quinta, 01/02, que o o serviço de segurança expandiu a sua atuação para barrar os apps de otimização conhecidos como “scareware” a partir do próximo dia 1º de março.

A empresa de Redmond sempre teve uma relação um tanto difícil com esses programas de otimização, que prometem limpar o seu computador de dados indesejados, potenciais spyware e outros problemas. “Apesar de a Microsoft não endossar o uso dessas ferramentas com o Windows, não as vemos como indesejadas ou maliciosas”, afirmou a companhia em 2016.

Na época, a Microsoft começou a bloquear esses apps de otimização e limpeza que não especificavam o que faziam, em parte para evitar que os usuários acabassem pagando por algo que não entendessem direito. (Normalmente esses apps de limpeza vão escanear o seu PC, revelar o que consideram erros, e então oferecer uma versão paga para solucionar o suposto problema. Mas arquivos temporários “inocentes” do Windows algumas vezes também eram apagados na limpeza, para irritação da Microsoft.) 

Agora, a Microsoft está fechando ainda mais o cerco contra esses serviços. Apps de limpeza ou otimização podem rodar nos PCs Windows, desde que expliquem o que estão fazendo. Mas se esses apps por acaso usarem “mensagens alarmantes ou coercitivas ou conteúdo enganoso para pressionar você a pagar por serviços adicionais ou realizar ações supérfluas”, então eles serão bloqueados, afirma a empresa.  

Vale lembrar que é possível rodar o Windows Defender e um app de antivírus de terceiros de forma simultânea no PC, então ambos podem cumprir os seus papeis. 

Outros fatores que também podem causar a remoção desses programas incluem avisos de que o usuário precisa agir dentro de um determinado período de tempo ou alertas de que nenhuma outra ação poderá corrigir os supostos erros/problemas do computador. 

“A proteção do consumidor é a nossa prioridade. Ajustamos, expandimos e atualizamos os nossos critérios de avaliação com base no feedback dos usuários e para poder capturar os desenvolvimentos mais recentes dos softwares indesejados e outras ameaças”, afirmou o membro da equipe Windows Defender Security Research, Barak Shein, em um post sobre o assunto.