Na CES 2018, Amazon e Google acirram a disputa pelo controle da casa conectada

Por Carla Matsu, de Las Vegas*
12/01/2018 - 15h28
Assistentes ativadas por voz dominam aplicações domésticas durante a feira. Outras concorrentes, como Samsung, correm para disputar um mercado em expansão

Uma disputa entre a Amazon e a Google para definir quem vai controlar um maior número de dispositivos conectados para sua casa ficou clara durante a CES 2018, que encerra nesta sexta-feira (12) em Las Vegas. 

Historicamente, as duas companhias não são grandes nomes em feiras de eletrônicos, uma vez que o negócio de hardware delas era, até então, secundário ao software. Mas isso mudou nesta edição, com as duas empresas tendo espaços cativos e capilarizados no evento. A Google contou com um grande estande que abrigava uma série de produtos, como aspiradores, lâmpadas, termostatos e alto-falantes de empresas parceiras, todos habilitados por voz.  Depois de visitá-lo, uma assistente - essa de carne e osso - me parou para um questionário. Entre as perguntas estava aquela que questionava minha preferência: Google ou Amazon?

Mas no final do dia, ou melhor, da CES, a Amazon parece ter ganhado em variedade de aplicações conectadas. A Kohler, empresa especializada em produtos de luxo para cozinha e banheiro, apresentou um espelho ativado pela Alexa. Por meio dele, você pode pedir a ela para dar descarga na privada ou encher a banheira e até mesmo alterar a temperatura da água e tudo isso a partir de uma conversa trivial com o seu espelho. 

Na CES 2017, a Alexa já aparecia em um grupo variado de produtos, mas o plano da Amazon de posicioná-la como uma assistente virtual universal ganhou um portfólio ainda mais amplo. A Sanbot Robotics, fabricante chinesa de robôs de serviço, apresentou nesta semana o seu Sanbot Nano, alimentado com a Alexa. O pequeno robô é vendido para se tornar um sistema que integra todas as coisas inteligentes da sua casa, além de fazer companhia para crianças e idosos. 

Fabricantes de PCs, como Lenovo, HP, Acer e Asus, lançaram na CES aparelhos Windows 10 que, apesar de virem com a assistente da Microsoft, a Cortana, embutida no sistema, o grande atrativo de venda era o suporte à Alexa. 

“À medida que iniciamos 2018, a Alexa mostra o mais forte ecossistema de parceiros – com o maior número de parceiros de hardware e habilidades – e uma presença cada vez maior da Alexa for Business nos escritórios”, afirmou o VP e analista principal da Forresteer, J.P. Gownder.

Google-Casa

Integração com grandes fabricantes

Segundo relatório da Canalys, o mercado de alto-falantes inteligentes prevê 50 milhões de unidades vendidas em 2018, colocando-o à frente da expectativa para o mercado de óculos de realidade aumentada e virtual. 

Apesar da Amazon ter se destacado nesta edição da CES, é bem provável que o jogo vire em 2019. Isso porque grandes fabricantes como a LG, Sony, Lenovo e JBL agora contam com speakers e telas inteligentes habilitadas com a guru virtual do Google. 

E a medida que carros também se tornam painéis de controle para coisas conectadas, as duas companhias correm para conquistar a vertical. A Toyota e a Lexus anunciaram planos de instalar a assistente da Amazon em alguns de seus veículos. Porém, nesta semana, a Google revelou que sua assistente será integrada ao Android Auto em breve, levando o controle ativado por voz para mais de 400 modelos de 40 fabricantes.

Vale ressaltar que a Google também tem outra grande vantagem aqui a longo prazo: sua forte presença além dos Estados Unidos e Europa e a compatibilidade para outros idiomas, além do inglês.

Quanto aos outros nomes da indústria, a Samsung mostrou grande expectativa e fidelidade em relação à Bixby, anunciando que sua assistente virtual deixa os limites do seus smartphones para levar inteligência à TVs e geladeiras já neste semestre. 

E você pode ter sentido falta da Apple, claro. Mas a fabricante do Iphone parece ficar cada vez mais à sombra quando o assunto é a casa conectada. A empresa lançou tardiamente o seu HomePod, um alto-falante com alguns recursos compatíveis com a Siri, mas não teve presença significativa na CES.

*Jornalista viajou à convite da CTA