Dock da Razer transforma smartphone em PC de maneira simples e fácil

PC World / EUA
10 de janeiro de 2018 - 12h42
Apresentado na CES 2018, protótipo Project Linda possui formato de um laptop e permite encaixar o celular no lugar do trackpad do computador.

Mais uma CES, mais um protótipo da Razer. Mas, ao contrário do laptop de três telas Project Valerie, apresentado em 2017, o novo Project Linda, revelado nesta terça, 9/1, é algo que pode realmente chegar ao mercado. A novidade é basicamente uma dock station para o Razer Phone na forma de um laptop. 

A abordagem da Razer pode ter se inspirado na Lap Dock (originalmente chamada de Mobile Extender) que foi lançada como uma opção para o HP Elite x3, que roda Windows Phone. Mas esse smartphone da HP não existe mais, então a Razer possui a oportunidade de reviver a ideia em uma plataforma mobile mais bem-sucedida. E tenho que dizer que estou otimista: o Project Linda é apenas um protótipo, mas é o melhor que já vi da Razer. 

Hardware híbrido

Como usa o poder de processamento do Razer Phone, não há muito dentro do Project Linda. O formato lembra o Razer Blade Stealth com uma tela de 13,3 polegadas, chassi de alumínio, e um teclado completo Razer Chroma. Para corresponder à tela do celular, o display possui 16x9, e 120Hz, mas não conta com resolução Quad HD. A unidade que vimos é apenas Full HD; a Razer diz que telas QHD de 120Hz deste tamanho são difíceis no momento.

Dentro da base do laptop há uma bateria interna de 53.6Wh, que pode recarregar o Razer Phone até quatro vezes, segundo a fabricante. A fonte de energia inclua é pequena e se conecta por meio de uma das entradas USB-C do Project Linda. O aparelho traz ainda um conector USB-A e uma entrada de 3,5mm para fones de ouvido.

razerprojectlinda_62503.jpg

Razer Phone como cérebro

O Razer Phone se encaixa no Project Linda no lugar onde teríamos normalmente um trackpad. Uma vez que o aparelho estiver conectado, basta apertar um botão de docking no canto superior direito do teclado e então a entrada USB-C entrará no lugar. A partir daí, o teclado e a tela se iluminam, com uma rápida animação da Razer sendo mostrada durante essa transição. Desse ponto em diante, a tela do smartphone se transforma em um trackpad para o Project Linda. Quando quiser retirar o smartphone, basta apertar o mesmo botão, esperar pelo clique e então retirar o dispositivo.

Tudo no laptop roda a partir do processador Snapdragon 835 do Razer Phone, que conta ainda com 8GB de RAM. Em nosso tempo com o protótipo, a experiência foi bastante suave e rápida, e foi ótimo ter a opção de conectar um mouse Bluetooth para controles mais precisos. 

No entanto, rodar o Android em uma tela grande exige algum tempo para se acostumar. Vale notar também que você não terá a flexibilidade de uma experiência tradicional de desktop, como no Samsung Dex.

Pontos fracos

Apesar de o Project Linda prometer uma mudança intrigante na relação entre smartphones e PCs, ainda há muito a ser melhorado antes do produto (eventualmente) chegar ao mercado. O protótipo não parece ter nenhum alto-falante embutido, então acaba usando os alto-falantes do próprio smartphone. Não pudemos ouvir nada enquanto estivemos com o produto, por isso teremos de esperar um teste mais detalhado para descobrir se as suas mãos ficarão na frente dos falantes do celular.

Também há um tipo de entalhe na parte da frente do laptop para revelar o leitor de impressão digital que fica na lateral do Razer Phone. Não é a maneira mais natural para se desbloquear o laptop, mas felizmente o leitor é rápido e confiável.

Além disso, o Project Linda traz 200GB de armazenamento onboard, que aparece como um cartão SD no Android. Em teoria, é legal poder contar com essa espaço extra caso necessário, mas fico preocupado com os riscos de segurança caso o laptop venha a ser roubado, por exemplo. Pessoalmente, preferiria ter uma versão do laptop sem esse armazenamento adicional.  

Outra perspectiva interessante é suporte para duas telas. Durante nossa demo na CES, a tela do Razer Phone estava desligada e apenas espelhava o que havia na tela, mas a Razer tinha outra unidade reproduzindo um vídeo conceito de como seria se as duas telas fossem tratadas de forma diferente. Gosto da ideia de poder ver informações extras na tela do touchpad, que possui mais aplicações práticas do que algo como a TouchBar dos MacBooks Pro, da Apple. 

razerprojectlinda_62502.jpg

Melhor dock Android do mercado?

Ao longo dos anos, vimos muitas promessas para conectar um smartphone em uma dock e usá-lo como um laptop ou desktop tradicional. Todo mundo, desde gigantes como Samsung e Lenovo até projetos pequenos no Kickstarter, já tentou aprofundar o conceito com diferentes níveis de sucesso. Sempre fui intrigado pela ideia, especialmente nos últimos anos, com o processamento mobile mais poderoso e eficiente em termos de uso de energia. 

A Razer pode ter uma fórmula vencedora em mãos, com ótimo hardware no lado do laptop, e todo o poder do Razer Phone. Colocar o smartphone no lugar do trackpad é a localização perfeita, muito mais amigável ao usuário do que a dock externa Dex, da Samsung. Claro, nunca poderia fazer um trabalho profissional no Premiere Pro neste laptop, mas na maioria do tempo só preciso de algo para escrever, verificar os e-mails e assistir alguns vídeos no YouTube com mais conforto e praticidade.

O Project Linda será lançado?

Como mencionado no início da reportagem, todos sabiam que o Project Valerie não fazia sentido e nunca chegaria ao mercado. E, apesar de ainda existir muitos pontos a serem melhorados no Project Linda, sinto um impulso real por trás deste produto. Ele oferece algo único para quem já possui o Razer Phone. De qualquer forma, tenho confiança que a Razer pode cumprir a promessa de uma dock de laptop antes do que você espera.