Especial: relembre 10 tecnologias que morreram em 2017

PC World / EUA
05/01/2018 - 17h09
Lista inclui desde produtos icônicos como iPod Shuffle e Nano, Kinect e AOL Instant Messenger até ideias não muito boas como a máquina de sucos Juicero.

O círculo da vida se aplica tanto à tecnologia quanto às coisas vivas, e todo ano temos uma leva de produtos antigos e ideias fracassadas que saem de cena. 

Em 2017, perdemos alguns produtos antes icônicos juntamente com outras coisas que provavelmente nem deveriam ter existido em um primeiro momento.

Confira abaixo a nossa lista com 10 produtos e tecnologias que nos deixaram no ano passado.

AOL Instant Messenger

Um dos apps mais conhecidos dos anos 1990, o AOL Instant Messenger foi encerrado oficialmente em dezembro de 2017. Os executivos culparam o fim do AIM por uma “mudança cultura” para redes sociais como Facebook e serviços de mensagens modernos como WhatsApp, mas também pode-se dizer que a AOL perdeu a chance de fazer parte dessa revolução. De qualquer forma, o destino do AIM já estava selado desde 2012, quando a AOL descontinuou o desenvolvimento ativo do serviço.

Windows Vista

Uma das versões mais odiadas do Windows chegou ao fim do seu ciclo de vida de 10 anos em 11 de abril de 2017. O software que nos deu o User Account Control e vários mecanismos DRM um tanto irritantes não está mais recebendo updates de segurança. Ou seja, quem ainda estiver usando o Vista por qualquer razão estará exposto a vulnerabilidades sem patches. O próximo na lista da Microsoft é o Windows 7, cujo suporte será encerrado em janeiro de 2020.

Windows 10 Mobile

A plataforma móvel da Microsoft chegou ao fim em outubro, quando o VP de sistemas operacionais da gigante, Joe Belfiore, postou em seu Twitter para que os usuários não esperem por novos recursos ou aparelhos do Windows 10 Mobile. De qualquer forma, o sistema nunca conseguiu alcançar um número significativo de usuários e desenvolvedores. O próprio Belfiore disse que mudou para o Android pelas opções superiores de hardware e software. Existem rumores sobre a Microsoft fazer outra tentativa no mobile com uma versão modular e unificada do Windows, mas o Windows 10 Mobile como conhecemos está morto. 

iPod Nano e Shuffle

Três anos após acabar com o iPod Classic, a Apple retirou o iPod Nano e o Shuffle da sua linha de aparelhos em julho de 2017. O iPod Touch agora é o único iPod Restante na linha da gigante, e mesmo assim, ele é muito mais um aparelho de entretenimento geral do que apenas um tocador de músicas. Com a Apple agora fora do jogo, o mercado de tocadores de MP3 mais em conta agora está nas mãos de algumas marcas pouco conhecidas como Hotechs e WiWoo. 

Kinect

A Microsoft declarou o fim oficial do Kinect em outubro de 2017, sete anos após uma estreia explosiva com o Xbox 360. Apesar de o Kinect original ter sido um dos aparelhos com vendas mais rápidas da história, o acessório nunca conseguiu superar o status de ser um “truque” para games, e uma grande aposta em colocá-lo em conjunto com o Xbox One não deu nada certo. Pelo menos a Microsoft conseguiu aproveitar alguns elementos do Kinect, com o sensor básico indo para os headsets de realidade aumentada HoloLens, e os membros da equipe trabalhando em tecnologias relacionadas como Cortana e Windows Hello.

kinectxboxone_62502.jpg

Groove Music Pass

Outro produto da Microsoft que foi encerrado em 2017, o Groove Music Pass deixou de funcionar oficialmente no último dia do ano. A saída de cena do Groove marca o fim de anos de dificuldades da Microsoft no segmento, primeiro com o Zune Music Pass, que virou Xbox Music Pass antes de finalmente tornar-se Groove Music Pass, em 2015. Os usuários nunca tiveram muitos motivos para optar por esses serviços da Microsoft com opções mais estabelecidas como o Spotify por aí. E, com a Microsoft focando mais em produtividade do que em entretenimento, a existência do Groove realmente não fazia mais sentido. 

Google Talk

O serviço de mensagens original do Gmail, chamado oficialmente de Google Talk, mas apelidado de Gchat, foi encerrado em junho de 2017 após 12 anos no mercado. Apesar de o Google já vir migrando seus usuários para o mais moderno Hangouts há anos, ainda era possível continuar com a interface mais antiga até o ano passado. O fim traz um pouco mais de clareza para a linha de apps de mensagens do Google, mas com o Allo, Android Messages e Hangouts, todos competindo por atenção, ainda há um pouco de confusão para a gigante arrumar. 

Jawbone

Antes uma fabricante conhecida de headsets e alto-falantes Bluetooth, a Jawbone conheceu seu fim no mercado de wearables. A empresa, que tinha recebido mais de 900 milhões de dólares em investimentos, teve de fazer o recall de um rastreador UP e encontrou dificuldades para adicionar rastreamento de batimentos cardíacos aos seus produtos. Por fim, a Jawbone acabou vencida por nomes como Fitbit, Garmin, Apple e outros nomes menos conhecidos. 

jawbone.jpg

Ubuntu em smartphones

A tentativa da Canonical de uma convergência entre PCs e smartphones chegou ao fim em abril, quando a empresa por trás do Ubuntu acabou com a interface Unity que deveria rodar nos smartphones e PCs Linux. Em 2018, a Canonical voltará para o visual Gnome que vinha sendo o padrão até seis anos atrás, enquanto muda para aplicações de Internet das Coisas como seu principal foco além do desktop.

Juicero

No ano passado, o mercado definitivamente rejeitou a ideia de uma máquina de sucos conectada de 700 dólares que dependia de pacotes proprietários de suco que custavam 7 dólares. Pelo menos quem pagou caro pela máquina conseguiu receber o dinheiro de volta.

juicero.jpg