De olho na Intel e AMD, Qualcomm leva Snapdragon para PCs Windows 10

PC World / EUA
07 de dezembro de 2017 - 15h49
Fabricante anunciou nesta semana parcerias com Asus, Lenovo e HP para laptops com a plataforma Snapdragon 835 Mobile PC.

A Qualcomm está invadindo o terrenos da Intel, anunciando PCs Windows que usam os mesmos chips Snapdragon do seu smartphone, com uma duração de bateria que pode muito bem entrar no segundo dia de uso.

 

A fabricante revelou nesta semana, durante o Snapdragon Technology Forum, nos EUA, a plataforma Snapdragon 835 Mobile PC em um tablet HP Envy x2 e em um ultrabook NovaGo, da Asus – um terceiro PC, da Lenovo, será anunciado em janeiro de 2018 durante a CES, em Las Vegas. Ambos rodam o Snapdragon 835, o mesmo processador (e modem celular) presente em alguns dos smartphones mais populares do mundo, como o Samsung Galaxy Note 8.

 

A Qualcomm usa o seu sucesso com os smartphones para justificar sua entrada no segmento de PCs. Você exige desempenho que dure o dia todo do seu smartphone, enquanto fica conectado constantemente. Por que o seu PC não deveria entregar o mesmo? 

 

Antes de qualquer coisa, vamos tirar uma preocupação da frente: os PCs Windwos com os chips da Qualcomm rodam o Windows 10, não o Windows RT, a versão abandonada do sistema que só rodava aplicativos UWP, da Microsoft. No entanto, essas PCs com Snapdragon emulam apps que não sejam UWP, deixando o desempenho um pouco mais lento. A empresa espera que os usuários estejam dispostos a trocar um pouco de velocidade pela promessa de que a plataforma Snapdragon Mobile PC entregará entre 14 e 24 horas de uso constante, intercaladas com períodos inativos de “standby conectado”.

 

O que isso significa para você

Em algum momento, a performance do seu smartphone, tablet ou PC supera as suas demandas – o que chamamos de computação “boa o bastante” (“good-enough”, no original). A Qualcomm está apostando que já estamos lá, pelo menos uma boa parcela dos seus usuários potenciais, e está focando em produtividade básica, conectividade always-on (celular) e duração de bateria.


Poder, não desempenho

Tenha em mente que as fabricantes de chips como Intel – e também AMD – estão interessadas em te vender os chips com o maior desempenho possível pelo menos preço. Essa não é a prioridade da Qualcomm. 

 

“A maioria das pessoas trabalhando em aparelhos desse tipo estão interessadas na parte conectada, e coisas como música, e-mail, alguma produtividade, compras – é principalmente uma extensão de um celular”, afirma o diretor sênior de produtos da Qualcomm, Miguel Nunes. “Não vemos as pessoas usando cargas de trabalho pesadas, como design gráfico. Caso o façam, elas costumam se distanciar desses tipos de dispositivos.”