Novo estudo mapeia pela primeira vez mercado de e-books no Brasil

Da Redação
25/08/2017 - 16h17
Segundo a Fipe, foram vendidas 2,7 milhões de unidades de livros digitais no país em 2016. Número é bem pequeno comparado com o mercado editorial geral.

O mercado de livros digitais está concentrado principalmente em editoras de obras gerais e dos chamados títulos CTP (científicos, técnicos e profissionais), segundo um novo estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, a Fipe.

Feito a pedido da Câmara Brasil do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), o levantamento até então inédito aponta que apenas 37% do setor editorial produz e comercializa conteúdo digital – 294 das 794 editoras investigadas na pesquisa. O acervo total de e-books comercializados no país chegou a 49.622 títulos até 31 de dezembro de 2016, aponta a pesquisa. 

Obras gerais

Com 2.751.630 unidades de e-books vendidas em 2016 no Brasil, o setor movimentou cerca de 42,5 milhões de reais no período. Apesar de alto, o valor é pouco significativo ao olharmos mais de longe, já que é equivalente a apenas 1,09% do mercado editorial nacional.

Como dito acima, o subsetor das obras gerais, que inclui livros de literatura, contos, romances ou poesias, é o que mais movimenta o mercado, respondendo por 88% das unidades vendidas, seguidos bem de longe pelos livros Científicos, Técnicos e Profissionais (CTP) e pelos livros religiosos.

O censo aponta que o préco médio de um e-book no Brasil é de 12,52 reais. No entanto, vale destacar que os livros digitais de Obras Gerais possuem um preço médio bem mais baixo do que os títulos Científicos, Técnicos e Profissionais: 10,05 reais contra 36,54 reais, de acordo com o estudo – os livros didáticos possuem um valor médico um pouco menor, de 35,52 reais, mas estão bem abaixo em números de vendas dos outro subsetores de e-books no país.