Pesquisadores usam impressora 3D para criar coração artificial de silicone

Da Redação
14/07/2017 - 18h27
Mdelo tem o mesmo tamanho de um coração orgânico; em um vídeo, é possível vê-lo batendo e bombeando fluido com a mesma densidade e viscosidade do sangue humano

Pesquisadores do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, desenvolveram um coração artificial que imita o órgão real humano. 

Produzido em silicone com uma impressora 3D, o modelo tem o mesmo tamanho de um coração orgânico e pesa apenas 390 gramas. Em um vídeo, divulgado nesta semana (assista abaixo), é possível vê-lo batendo, bombeando fluido com a mesma densidade e viscosidade do sangue humano.

Apesar de ainda estar longe de ser um coração apto para transplante, o projeto poderia revolucionar a forma como pacientes com doenças cardiovasculares são tratados. 

Isso porque tais pacientes, tipicamente, ficam ligados a bombas de sangue enquanto esperam por um órgão doador ou que o próprio coração se recupere. No entanto, tais máquinas apresentam muitas desvantagens, incluindo a suscetibilidade à infecções e a formação de coágulos sanguíneos. Um dispositivo que se pareça com o órgão real contribuiria com o tratamento e teria o potencial de salvar milhares de vidas.

Segundo a equipe, liderada pelo doutorando Nicholas Cohrs, trata-se do primeiro coração artificial totalmente flexível, com mecanismo de bombeamento que consegue fazer com que os ventrículos de silicone atuem como um coração real.

"Nosso objetivo é desenvolver um coração artificial que tenha aproximadamente o mesmo tamanho que o próprio do paciente e que imite o coração humano o mais próximo possível na forma e função", explicou Cohrs em comunicado. 

O músculo interno da prótese foi inflado por ar pressurizado, o que faz o movimento de contração e descontração do batimento cardíaco. Por enquanto, o modelo de silicone só consegue realizar 3 mil batidas antes de começar a desmontar, o que, equivaleria a 45 minutos de vida. A meta agora, segundo os pesquisadores, é continuar o desenvolvimento para ampliar a vida útil da prótese.

O coração artificial foi detalhado na publicação Artificial Organs