Intel turbina chips Atom com 16 núcleos e recursos profissionais

PC World / EUA
21 de fevereiro de 2017 - 18h38
Novos modelos Atom C3000 são voltados para matrizes de armazenamento, equipamentos de redes e aparelhos de Internet das Coisas.

 Até então, o Intel Atom era mais conhecido como um chip de entrada para aparelhos móveis com desempenho instável. Mas isso deve mudar em breve.

Isso porque os novos chips Atom C3000, anunciados nesta terça-feira, 21/2, possuem até 16 núcleos e são mais sofisticados do que nunca. Os chips são voltados para matrizes de armazenamento, equipamentos de redes e aparelhos de Internet das Coisas (IoT).

Os novos chips possuem recursos encontrados principalmente em chips de servidores, incluindo ferramentas de redes, virtualização e correção de erros.

Aparelhos de redes e armazenamento não exigem muito poderio, então os chips Atom se encaixam perfeitamente. Apenas alguns chips da Intel para servidores possuem mais de 16 núcleos, mas o número de núcleos do Atom significa que o processador pode lidar com mais fluxos de dados.

O novo Atom C3000 se encaixa perfeitamente no plano de longo prazo da Intel de crescer nos mercados de servidores, Internet das Coisas e armazenamento.

Para quem não lembra, a Intel deixou de fabricar chips Atom para smartphones em maio de 2016, e a linha dos processadores foi reconfigurada para incluir os chips E3900, para aparelhos de IoT, e os chips T5700 e T5500, usados nas placas Joule.

Um recurso surpreendente do C3000 são as habilidades RAS (reliability, availability, and serviceability), mais comumente encontradas em chips Xeon top de linha. O recurso corrige erros de dados e evita crashes nos equipamentos de redes e armazenamento.