Especial: as melhores distribuições de Linux para novos usuários

PC World / EUA
16/07/2015 - 12h07
Linux possui centenas de distribuições, mas as melhores para iniciantes são aquelas mais simples e com recursos que "lembram" o Windows.

Entrar no mundo do Linux pela primeira vez começa com a escolha de uma distribuição da plataforma. Um sistema típico “Linux” é construído com software de diferentes projetos open-source, incluindo o kernel do Linux. As distribuições são os projetos que “empacotam” todos esses software em um sistema fácil de instalar e usar.

Testar uma distribuição Linux é algo extremamente simples. Você só precisa de um drive USB e reiniciar o seu computador. Não é preciso instalar nada ou adulterar o seu sistema atual (se tiver um computador com Windows 8, talvez tenha de desabilitar a opção Secure Boot antes de conseguir inicializar um sistema Linux).

Ubuntu é um ótimo lugar para começar

O Ubuntu é provavelmente a distribuição do Linux mais amplamente recomendada para novos usuários. E por uma boa razão. Essa distribuição fornece um instalador fácil e simples e um desktop razoavelmente amigável ao usuário no Unity. O Unity se diferencia um pouco de um desktop tradicional do Windows, mas não deve ser muito difícil para achar seu caminho por lá.

Essa distribuição do Linux não é tão ideológica sobre software livre quanto outras. Com apenas um único clique durante o processo de instalação, você pode fazer o Ubuntu instalar automaticamente o plugin do Flash e vários codecs. Após a instalação, há uma ferramenta única de Drivers Adicionais que te diz exatamente quais drivers de hardware de código fechado são necessários para fazer seu hardware funcionar corretamente e te permite instalá-los com um ou dois cliques. Esses software adicionais podem ser meio chatos de conseguir em outras distribuições Linux, e sua instalação nem sempre é oficialmente suportada.

ubuntu01.png

Fique com a versão LTS (long term service) e terá um sistema Ubuntu que é suportado atualizações de segurança por cinco anos. Esses lançamentos LTS também recebem upgrades de suporte para hardware e algumas outras atualizações significativas de software, te permitindo instalar o Linux uma vez e usar o sistema por anos. Não é preciso fazer o upgrade para uma versão nova todo ano para ficar atualizado, como poderia acontecer com uma distribuição de Linux mais ágil nesse sentido como o Fedora.

A popularidade do Ubuntu significa que há uma grande quantidade de software disponível para o sistema em seus repositórios de aplicativos e até mesmo em PPAs, se acabar precisando de algo mais específico. Também há uma grande quantidade de documentação disponível online. Por isso, caso encontre algum problema, provavelmente poderá fazer uma busca na web e encontrar outra pessoa que já teve e resolveu um problema igual ou parecido.

O Linux Mint também é bastante popular

Não há como negar a popularidade do Linux Mint. Ele é baseado no Ubuntu, então você recebe o mesmo sistema base do Ubuntu, mas o Mint também é o seu próprio projeto. O Ubuntu parece mais popular no geral, mas o Linux Mint geralmente parece ser mais popular entre os usuários online de Linux desktop.

O Linux Mint é focado no desktop tradicional. Os seus dois desktops, Cinnamon e MATE, são interfaces mais tradicionais que serão um pouco mais familiares para os usuários deixando o Windows em direção ao mundo Ubuntu. O Linux Mint também é implacavelmente focado em melhorar o desktop de hoje, enquanto o que o projeto Ubuntu está trabalhando em um sistema para smartphones, criando novos formatos de pacotes de software, e reescrevendo inteiramente o desktop Unity para a convergência entre celulares e PCs.

linuxmint01.png

Dê uma chance ao Mint se acha o Linux interessante, mas não é fã do desktop Unity, do Ubuntu. Felizmente, é fácil testar o Ubuntu e o Linux Mint sem desinstalar nada no seu computador.

Lubuntu pode dar vida nova para PCs antigos

Se você possui um computador significativamente mais antigo com menos RAM e uma CPU mais lenta, pode querer pular o desktop principal do Ubuntu e usar algo mais leve. O Lubuntu é o sistema base do Ubuntu com o desktop Lxde, que é muito mais leve. O Lubuntu herda todos os recursos do Ubuntu – apenas possui um ambiente de desktop diferente.

lubuntu01.png

O projeto Lubuntu diz que o Lubuntu deve rodar relativamente bem com 512MB de RAM, apesar de que você vai querer 1GB para sites mais modernos e exigentes. O Ubuntu com o desktop Unity provavelmente enfrentaria dificuldades com uma quantidade de memória tão baixa.

Mas o Lubuntu não é a única versão do Ubuntu com um desktop diferente que você pode testar. O Ubuntu oferece uma grande variedade de outros “sabores”.

Mas e o Fedora, Debian, Arch e outras?

Existem muitas outras distribuições de Linux por aí – centenas, na verdade. Aqui vão algumas sobre as quais você já deve ter ouvido falar. São todas ótimas distribuições, mas não são o melhor lugar para a maioria dos usuários iniciantes por uma ou outra razão.

O Fedora é popular, e é um ótimo projeto. Ao contrários de muitas outras distribuições do Linux, o Fedora funciona com vários projetos “upstream” e não os customiza excessivamente. O Fedora é uma plataforma para todas as tecnologias mais recentes na “terra do Linux” e ajuda a impulsionar todo o ecossistema.

fedora01.png

No entanto, software comuns como codecs e drivers para hardware de código fechado não são suportados no Fedora, que possui foco em software livre. É preciso recorrer a terceiros para conseguir esses apps não aprovados, o que pode ser algo bem complicado para um novo usuário. O Fedora também tem um ritmo mais frenético, com cada lançamento da plataforma sendo suportado por apenas 13 meses. É preciso fazer upgrade para novas versões dessa distribuição com muito mais frequência para continuar recebendo atualizações de segurança.

O Debian é sólido e estável – na verdade, forma a base para uma boa parte do software que acaba no Ubuntu. Já foi dito que o maior feito do Ubuntu era pegar o Debian e construir sobre ele para criar um sistema mais amigável ao usuário. O Debian não fornece uma ferramenta fácil para instalar drivers de código fechado para hardware que você possa querer ou precisar. O Debian é um excelente projeto, mas o Ubuntu tem um ritmo mais rápido e é mais focado em fornecer uma experiência refinada de desktop.

O Arch Linux também é popular entre os usuários com mais experiência, mas exige muito mais “mão na massa”. E é exatamente isso que um determinado tipo de usuário busca. Mas provavelmente não é onde você vai querer começar com o Linux, a não ser que esteja disposto a mergulhar bem fundo.

Não há como fazer todo mundo feliz. Alguns leitores vão ficar chateados que as suas distribuições favoritas não foram recomendadas aqui. Cada distribuição possui os seus fãs e usuários dedicados. E essa liberdade de escolha é que faz a beleza do Linux!