Redação do IDG Now!" />

Viciados em games não têm problemas de relacionamento social

Redação do IDG Now!
12/06/2008 - 12h51
São Paulo - Estudo mostra que só 1% dos australianos que jogam games têm problemas com timidez nas relações, contrariando esteriótipos.

Jogar videogame por horas não prejudica as relações sociais, revela o estudo do psicólogo Daniel Loton, da Universidade de Victoria, na Austrália. Apenas 1% dos jogadores têm pouca habilidade social, especificamente timidez, contrariando o estereótipo de que os gamers são sozinhos, nerds e viciados por não se sociabilizarem.

Por outro lado, 15% dos entrevistados foram identificados como “jogadores problemáticos”, pois dedicam mais de 50 horas semanais a games.

De acordo com a pesquisa, que está disponível na internet, 78,7% dos jogadores afirmam reduzir o tempo de trabalho, “pulam” refeições, dormem menos ou passam menos tempo com a família e amigos do que gostariam. Enquanto isso, 59,7% tentam se controlar, mas normalmente jogam mais tempo do que pretendiam.

Segundo Loton, o que se define como o maior problema para o jogador é quando o tempo gasto com o game afeta atividades como o trabalho, sono e relações. Ou seja, quando não consegue parar de jogar.

Loton destacou outros resultados preocupantes, como o de que 56,5% continuam pensando em games quando não estão jogando e 54,9% dos jogadores não desistem de jogar enquanto não vencem ou não alcançam seus objetivos.

O psicólogo entrevistou 621 adultos australianos - destes, 560 homens.