Google oferecerá acesso offline a usuários dos serviços Apps e Docs

IDG News Service/EUA
31/03/2008 - 18h28
Miami - Todos os usuários dos aplicativos online poderão visualizar e editar documentos offline por meio da instalação do plug-in Gears.

O Google permitirá que os usuários acessem offline as aplicações hospedadas do Google Docs e do Google Apps, revelou a empresa nesta segunda-feira (31/03).

A primeira aplicação com acesso offline será o processador de textos, segundo o gerente de produtos do Google Docs, Ken Norton. “O objetivo é criar a mesma experiência, com ou sem internet”, diz.

Leia também:
> Serviços online migram para desktop

Nas próximas três semanas, o Google oferecerá o recurso a todos os usuários do processador, que poderão visualizar e editar documentos offline. No mesmo período, a aplicação para planilhas oferecerá visualização - mas não a edição - offline dos documentos.

Por enquanto, a aplicação do Google Docs para criar slides de apresentação não terá acesso offline. Mas assim como para outras aplicações, o Google planeja estender este recurso.

A idéia da empresa é também oferecer acesso offline ao Google Apps, do qual o Docs faz parte. O Apps inclui ainda o Gmail, o Calendar e o Talk, entre outros.

“O acesso offline de aplicativos hospedados é o próximo passo em tornar a web um espaço mais confiável”, afirma Norton.

A expectativa de acesso offline ao Docs e ao Apps surgiu quando o Google apresentou a extensão Gears, em maio de 2007. Até agora, a funcionalidade offline para aplicativos da web foi integrada somente ao leitor RSS Google Reader.

Para acessar offline os arquivos do Docs, os usuários precisarão instalar o plug-in Gears e digitar no site do Google Docs, normalmente.

Os trabalhos feitos offline sincronizarão automaticamente com os servidores do Docs quando os usuários se conectarem à internet.

Atualmente, o Gears é compatível com versões mais recentes do Internet Explorer 6 e Firefox 1.5 . A tecnologia também funciona no Windows XP e Vista, além de Windows Mobile 5 ou acima, e Internet Explorer 4.01 ou acima.

Juan Carlos Perez, editor do IDG News Service, de Miami