Ceatec: Toshiba apresenta protótipo de tocador digital movido a metanol

IDG News Service/Japão
02/10/2007 - 09h22
Chiba - Durante feira Ceatec, no Japão, empresa mosta primeiro gadget de uma extensa linha que usará células de metanol, mas não promete datas.

A Toshiba revelou um protótipo do seu tocador de mídia Gigabeat que tem bateria baseada em metanol, conhecida tecnicamente como direct methanol fuel cell (DMFC), ao invés dos acessórios convencionais de íon lítium.

O media player, em exibição na feira de tecnologia Ceatec, no Japão, funciona por até 10 horas com apenas 10 mililitros de metanol, autonomia maior do que a bateria convencional que caberia no mesmo espaço, afirmou Fumio Ueno, executivo da tecnologia no Centro de controle de componentes da Toshiba.

Veja também:
>5 dúvidas sobre TV Digital no Brasil
>Veja como serão as TVs do futuro
>Conheça o sucessor japonês do HDTV

A bateria por metanol produz eletricidade de uma reação entre ar, metanol e água. Sob desenvolvimento por diversos anos, a comercialização das DMFCs foi freada tanto por regulações que preveniam que elas fossem carregadas em aviões como pelos altos custos envolvidos em seus componentes.

No começo deste ano, as regulamentações aéreas mudaram e as baterias agora são permitidas dentro de aviões desde que a quantidade de combustível carregada seja menor que 100 mililitros por gadget.

Além de demonstrar a habilidade de integrar a DMFC em um pequeno gadget, o media player da Toshiba resolve o problema do vazamento de combustível no recarregamento, afirma Ueno.

Um cartucho de plástico claro com metanol se conecta a uma porta de recarregamento na base do tocador digital. Uma vez conectado, o usuário pressiona um botão no cartucho, liberando metanol no reservatório do aparelho.

Quando o reservatório estiver cheio, o usuário solta o botão no cartucho. O dióxido de carbono produzido pela célula empurra o metanol restante entre o reservatório e o cartucho de volta para o aparelho, explicou.

A Toshiba está trabalhando em diversos aparelhos que terão o DMFC e espera começar a introduzí-los no mercado dentro de dois anos.

Sumner Lemon, editor do IDG News Service, de Cingapura.