CFO e filha do fundador da Huawei é presa no Canadá após trégua entre EUA e China

Da Redação
06 de dezembro de 2018 - 12h05
De acordo com a Reuters e com o The Globe and Mail, prisão aconteceu a pedido do governo norte-americano por supostas violações de sanções contra Irã

A executiva Meng Wanzhou, diretora financeira (CFO) da Huawei e filha do fundador da gigante chinesa, Ren Zhengfei, foi presa nesta semana em Vancouver, no Canadá, e deve ser extraditada em breve para os Estados Unidos, de acordo com informações da Reuters.

Segundo a agência de notícias, a prisão da Meng teria acontecido a pedido do governo dos EUA. O jornal canadense The Globe and Mail diz que a prisão aconteceu por suspeitas de violação de sanções dos EUA contra o Irã – uma audiência sobre o caso está agendada para amanhã, 7/12. 

Revelada na noite desta quarta-feira, 5/12, a prisão da executiva aconteceu no sábado, 1/12, conforme um porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA. No mesmo dia, no encontro do G20 na Argentina, os presidentes de EUA e China, Donald Trump e Xi Jinping, respectivamente, anunciaram uma trégua na guerra comercial travada entre os países.

Posição da Huawei

Em um comunicado enviado ao The Globe and Mail sobre o caso, a Huawei afirma ter recebido poucas informações sobre as acusações e alega não ter conhecimento de nenhuma infração cometida pela executiva. 

A companhia ainda diz que acreditar em uma conclusão justa por parte dos sistemas legais dos EUA e Canadá e destaca “cumprir todas as leis e regulamentações aplicáveis nos locais em que opera, incluindo controles de exportação e sanções aplicáveis”.

Segunda maior fabricante de smartphones do mundo, atrás apenas da Samsung, a Huawei é alvo de preocupação do governo dos EUA há algum tempo já, com agências como FBI e CIA tendo recomendado no início deste ano que os cidadãos americanos não comprassem produtos da empresa chinesa por suspeitas de espionagem.