Equipes de TI não estão nada satisfeitas com as atualizações do Windows 10

Gregg Keizer, Computerworld EUA
09/08/2018 - 11h00
Pesquisa feita entre clientes corporativos aponta para a urgência com que a Microsoft precisa endereçar seus patches

Uma pesquisa feita entre administradores de TI revelou que patches, atualizações e upgrades do Windows, da Microsoft – em particular o Windows 10 -, são considerados uma bagunça que a empresa precisa ajustar.

Mas a Microsoft não entende que há um problema. Ou não estaria disposta a confessar. Em vez disso, apresentou um conjunto de “princípios orientadores” para o serviço do Windows que não foi seguido, argumentou o especialista em patch que distribuiu o questionário e instou os principais executivos da Microsoft a atenderem ao feedback.

“Se a Microsoft não puder ver que [os que estão] encarregados de patches não estão enviando atualizações imediatamente [para os trabalhadores], a Microsoft não está ouvindo sua base de clientes”, disse Susan Bradley, consultora de rede e segurança de computadores e moderadora da lista do PatchMangement.org.

“Se a Microsoft não está percebendo que [seus] clientes corporativos estão tendo problemas com o tempo das atualizações de recursos, a empresa não está ouvindo seus clientes corporativos.”

Administradores de TI avaliam atualizações

No mês passado, Susan enviou um questionário à sua lista do PatchMangement.org, perguntando qual o nível de satisfação dos executivos com o patch do Windows em geral e com o Windows 10 especificamente, entre outras questões. Após reunir centenas de respostas, escreveu uma carta aos líderes da Microsoft, incluindo Carlos Picoto, que lidera o grupo de atendimento e entrega do Windows e o CEO Satya Nadella.

Na carta, ela citou várias tendências colhidas dos comentários dos participantes, como, por exemplo, o programa Insider não identificar problemas antes que as atualizações cheguem aos clientes, e então aos executivos que “reservassem um tempo para ler as respostas, porque elas mostraram que as pessoas responsáveis ​​por consertar os sistemas Windows estavam insatisfeitas com o processo e a qualidade das atualizações”.

A maioria dos entrevistados estava insatisfeita: 69% relataram que estavam “insatisfeitos” ou “muito insatisfeitos” com a qualidade das atualizações do Windows em geral. Quase 64% expressaram insatisfação com a qualidade das atualizações do Windows 10, enquanto mais de 78% disseram que as atualizações do Windows 10 – agora lançadas duas vezes por ano – devem ser emitidas apenas uma vez por ano ou uma vez a cada dois anos.

O questionário de Susan também perguntou se essas atualizações de recursos eram úteis para as necessidades de negócios dos respondentes (cerca de 80% disseram “não útil” ou “raramente útil”) e se o Windows 10 atendia às suas necessidades (53% disseram “sim”).

Nenhum executivo da Microsoft respondeu positivamente, mas uma solicitação de suporte foi registrada, após um gerente de relacionamento com clientes da equipe de escalonamento executivo da Microsoft dizer que estava “trabalhando para encontrar o melhor local para levar suas preocupações à nossa equipe de liderança”.

Um dia depois, o mesmo gerente disse a Susan que ele havia encaminhado sua carta “para uma equipe melhor preparada para lidar com as preocupações e comentários que você declarou”, e pediu-lhe para compartilhar qualquer sugestão ou comentário no Hub de Comentários do Windows.

O gerente também descreveu o Windows 10 como “muito diferente das versões anteriores do Windows” e seu ecossistema como “incrivelmente complexo”, mas seus comentários não abordaram diretamente a carta de Bradley ou as preocupações dos participantes do questionário.

Em seguida, Susan tentou mais uma vez entrar em contato com Nadella, Picoto e Scott Guthrie, o executivo que comanda a divisão de nuvem e empresas da Microsoft.

Resposta da Microsoft?

Um dia depois de Susan publicar sua carta na Computerworld EUA, John Wilcox, da Microsoft, postou no blog do Windows IT Pro, descrevendo o que ele chamou de “uma base para nossa atualização mensal de qualidade do Windows 10”.

Seja uma coincidência ou não, alguns tomaram o post de Wilcox como resposta de Redmond à carta. “Não tenho certeza se o post do blog é uma resposta para mim, e se for, como eu disse na minha resposta para a gerência, então faça exatamente o que esse post do blog está promovendo porque certamente não está sendo feito agora “, disse ela.

O post de Wilcox definiu três princípios básicos para a manutenção do Windows, incluindo “ser simples e previsível”, “ágil” e “transparente”. Para a especialista, embora esses sejam os objetivos, eles certamente não estão sendo cumpridos, pelo menos aos olhos dos administradores encarregados de implementar os patches e atualizações do Windows.

Parte da agitação estava ligada a uma onda de problemas relacionados à atualização que começou em janeiro, o que Susan chamou de “confusão de comunicação” em torno dos patches de Spectre/Meltdown e continuou até julho, quando os patches do mês desencadearam em um trabalho de re-patching apenas alguns dias depois.