Windows 10 Pro é um beco sem saída para as empresas, segundo Gartner

Gregg Keizer, Computerworld / EUA
30/05/2018 - 10h04
Em novo relatório, analistas das consultoria apontam que a Microsoft criou um buraco intransponível entre as versões Pro e Enterprise do Windows 10.

O Windows 10 Pro é um beco sem saída para as empresas, segundo o VP de pesquisas da Gartner, Stephen Kleynhans. “Prevemos que a Microsoft vai continuar posicionando o Windows 10 Pro como um lançamento que não é apropriado para empresas ao reduzir...suporte e limitar o acesso a recursos de gerenciamento para companhias”, afirmou o analista em um relatório recente da consultoria, intitulado "Plan and Budget for Short Windows and Office Support Cycles Based on Microsoft's February 2018 Announcements".

O Windows 10 Pro atualmente ocupa um meio termo entre as versões Home (para usuários finais) e Enterprise (para empresas) em termos de recursos, funcionalidades e preço.

Como as versões Enterprise do Windows nunca estiveram disponíveis para as fabricantes de PCs, o Pro – às vezes, como no Windows 7, classificado como Professional – têm sido a versão mais popular do sistema pré-instalado em novos PCs corporativos. (As organizações normalmente reimaginam novos computadores com o Enterprise após receber as máquinas.) 

Mas apesar de o Pro ou Professional possuir um longo histórico em configurações de negócios, a Microsoft tomou diversas decisões em sua campanha de migração do Windows 10 para separar ainda mais o Pro e o Enterprise. Na visão de Kleyhans, esse buraco entre as versões agora ficou intransponível.

O último golpe neste sentido foram as mudanças no suporte do Windows 10. No ano passado, a Microsoft anunciou uma extensão de seis meses no suporte do upgrade Windows 10 1511, lançado em novembro de 2015, “para ajudar algumas empresas early adopters que ainda estão finalizando suas transições para o Windows como um serviço”. Em fevereiro, a Microsoft adicionou as versões 1609, 1703 e 1709 à lista de suporte estendido, dando 24 meses para cada uma delas, em vez dos 18 meses padrão.

“Alguns consumidores solicitaram uma extensão ao tempo padrão de 18 meses de suporte para as versões do Windows 10”, afirmou um executivo da Microsoft na época.

No entanto, havia uma pegadinha: apenas o Windows 10 Enterprise (e o Windows 10 Education, uma versão similar para escolas públicas e particulares e universidades) se qualificavam para esses seis meses de suporte extra. Os usuários do Windows 10 Pro ainda precisavam fazer o upgrade para uma versão seguinte em até 18 meses para continuarem recebendo patches de segurança e outras soluções de bugs. 

“O que realmente me surpreendeu sobre o suporte adicional foi o fato de que não se aplicou ao Pro. Penso que isso telegrafou o fato de que, para as empresas, o Pro está em um beco sem saída”, afirma Kleynhans.

Mesmo com essa extensão de suporte já tendo sido encerrada pela Microsoft com o upgrade mais recente Windows 10 1803, no relatório que Kleynhans escreveu com seu colega de Gartner, Michael Silver, a dupla deixa claro que acredita que o Pro é visto pela Microsoft como um cidadão de segunda classe. 

“Os clientes usando o Windows 10 Pro atualmente devem continuar monitorando os anúncios sobre ciclos de vida da Microsoft porque eventualmente precisarão fazer orçamentos para o Windows 10 Enterprise à medida que o Windows 10 Pro se torna mais ‘pro-sumer’ (entre profissional e consumidor) e voltado para pequenas empresas”, afirmam em uma lista com seis recomendações para os consumidores. 

Outro componente da estratégia atual de suporte do Windows 10 pela Microsoft, algo chamado de “paid supplemental servicing”, também não está ao alcance do Windows 10 Pro. O suporte extra pago, que a Microsoft vende por um valor não revelado, só está disponível para os usuários das versões Enterprise e Education. Essa modalidade adiciona até 12 meses extras de suporte aos 18 meses oferecidos como padrão.

“Os clientes usando o Windows 10 Pro ainda verão o suporte acabar após 18 meses. Desta maneira, a Microsoft está reforçando ainda mais que espera que os clientes corporativos mudem para a edição Enterprise do Windows 10.”