Em novo capítulo na batalha de patentes, Apple exige US$ 1 bilhão da Samsung

Da Redação
17/05/2018 - 18h14
Para a empresa de Cupertino, patentes infringidas fizeram do iPhone o que revolucionou o mercado e por isso exige todo o lucro obtido com o Galaxy S

A batalha nos tribunais de justiça entre a Samsung e Apple ganhou um novo capítulo nesta semana, com a Apple exigindo que a concorrente sul-coreana pague 1 bilhão de dólares por desrespeitar propriedade intelectual referente ao iPhone.

A disputa entre as duas gigantes do setor não é de hoje - iniciou ainda em 2012 - e vem se prolongando até os dias atuais. 

A Samsung alegadamente infringiu três patentes referentes ao design do telefone da Apple e duas patentes utilitárias. Entretanto, o advogado da Apple, Bill Lee, argumentou que as patentes de design em questão fizeram do iPhone o que revolucionou o mercado - e por isso - exige que a Samsung pague o valor que seria, em suma, o equivalente ao lucro que a sul-coreana obteve com a venda do Galaxy S.

Vamos aos cálculos - a Samsung fez US$ 3,3 bilhões em receita com o aparelho - há muito superado - e US$ 1 bilhão em lucro. Mas a questão essencial aqui que foi levada ao júri é: a Samsung deve pagar pelos danos sobre o aparelho inteiro ou apenas pelos componentes que foram infringidos? A Samsung, claro, diz que trata-se da última opção e quer limitar a indenização a US$ 28 milhões. “Eles querem o lucro do celular inteiro, mas as patentes não cobrem o celular inteiro”, argumentou o advogado da Samsung.

A decisão inicial em relação ao caso foi publicada ainda em 2012, quando a Apple já havia pedido por 1 bilhão de dólares. Em 2013, a Samsung entrou com recurso e conseguiu reduzir o valor da indenização.

Vale lembrar que a sul-coreana já havia concordado em pagar US$ 548 milhões em 2015, mas uma parcela de US$ 399 milhões pode ser revisada esperando a última decisão da Suprema Corte. Dependendo do que o júri considerar, a penalidade real pode aumentar ou diminuir, ou seja, o julgamento ainda pode estar longe de ter um fim.