Start-Up Brasil: conheça mais 46 startups selecionadas

Da Redação
15 de maio de 2018 - 06h29
Novo grupo receberá um investimento de R$ 9,7 milhões do orçamento do MCTIC

O Programa Start-Up Brasil, iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) que conta com a gestão da Softex, promoveu hoje no Recife o evento de boas-vindas (Welcome Aboard) às 46 startups selecionadas para aceleração na Turma 5. Esse novo grupo receberá um investimento de R$ 9,7 milhões do orçamento do MCTIC.

Participaram da solenidade Thiago Camargo Lopes, Secretário de Políticas Digitais do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); Ruben Delgado, presidente da Softex Nacional; Silvio Meira, presidente do Conselho de Administração do Porto Digital; Alexandre Motta, coordenador de Apoio à Pesquisa, Desenvolvimento e Aplicações do CNPq; e Edney Marcos Mossambani, líder da Rede Softex.

A programação incluiu a apresentação das startups e das aceleradoras da Turma 5, orientações sobre o Programa, casos de sucesso envolvendo cultura empreendedora e investimentos, além de sessões de mentoria e networking.

“A partir do segundo ciclo tem sido crescente a presença de empresas e aceleradoras das regiões Norte e Nordeste, o que é extremamente benéfico para o ecossistema. A escolha do Recife para sede desse evento de boas-vindas foi um reconhecimento a esse resultado positivo e sinaliza nosso interesse em expandir a cultura empreendedora e inovadora por todo o país”, analisa o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, lembrando que um dos objetivos do programa é promover a integração entre empreendedores de todo o território nacional.

Ruben Delgado, presidente da Softex, explica que o Welcome Aboard foi o primeiro grande encontro entre os novos participantes – empreendedores e aceleradoras – e os agentes-chave do ecossistema empreendedor nacional. “Como gestores do Start-Up Brasil pelos próximos dois anos, agregamos como valor a nossa experiência na condução de programas de internacionalização, de qualidade e também as linhas de financiamento, áreas que ganharão ainda mais força com as startups da Turma 5”, complementa.

Raio X
O Start-Up Brasil apoia empresas nascentes nacionais e internacionais com até quatro anos de existência e que desenvolvam produtos/serviços inovadores utilizando software, hardware ou serviços de TI.

A Turma 5 é composta por 46 startups: 45 brasileiras provenientes de 14 Estados e uma estrangeira (Suíça). O tamanho médio das equipes é de 7 pessoas, a idade média é de 30 anos e as mulheres têm uma participação de 21,69% entre os integrantes.

Desse novo grupo, sete startups atuam na área de Saúde, quatro em TI e Telecom, três em Educação, três em Finanças, três em Varejo, duas no Agronegócio, duas em Energia, duas em Logística e Transporte, duas em Mídia e Comunicação, duas em Segurança e Defesa, uma na área Automotiva, uma em Eventos e Turismo e uma em Moda e Beleza. As 13 restantes são de outros segmentos.

As startups apoiadas trabalharão em parceria com as 13 aceleradoras qualificadas para essa turma: ACE (São Paulo), Acelera Cimatec (Bahia), Acelera MGTI (Minas Gerais), Baita (São Paulo), Cesar.Labs (Pernambuco), FabriQ (Amazonas), Jump Brasil (Pernambuco), Outsource Brasil (Rio de Janeiro), Techmall (Minas Gerais), Ventiur (Rio Grande do Sul), Wave (Ceará), Wayra (São Paulo) e Wow (Rio Grande do Sul).

Ao longo dos próximos 12 meses, a Turma 5 participará de eventos e de atividades de capacitação e de aproximação com grandes companhias nacionais e internacionais, com investidores e ainda de programas de acesso ao mercado e a compras públicas. As participantes também receberão uma bolsa para investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação de acordo com o valor previamente solicitado e aprovado no edital. Durante todo esse processo, as startups serão acompanhadas pelas aceleradoras e pelos gestores do programa Start-Up Brasil.

O valor das bolsas para investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação é de até R$ 200 mil. O valor do aporte de investimento da aceleradora para inserção no mercado varia entre R$ 20 e 150 mil, sendo definido por acordo firmado entre a startup e a aceleradora.

“Nosso objetivo é criar um ambiente colaborativo para que todos os players do ecossistema nacional possam contribuir tanto na evolução do Programa como no mapeamento e na superação dos desafios do empreendedorismo no país”, disse Thiago Camargo Lopes, Secretário de Políticas Digitais do MCTIC.

Lançado em 2012, o Start-Up Brasil já executou dois ciclos de aceleração – de 2013 a 2015 – quando apoiou 183 startups distribuídas por quatro turmas, oriundas de 17 estados e 13 países. Até o momento, o MCTIC aportou R$ 34,7 milhões em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) de startups de tecnologia da informação (TI). A iniciativa alavancou aproximadamente R$ 103 milhões em investimentos privados e gerou mais de 1.200 empregos diretos.