Apple vai recomprar mais US$ 100 bilhões em ações após superar expectativas de vendas

Da Redação
02/05/2018 - 14h18
Com resultados positivos, fabricante também vai aumentar seus dividendos a 16%

Apesar dos temores sobre o preço do novo iPhone X, a Apple superou suas expectativas de lucro e receita no último trimestre com a venda de 52,2 milhões de iPhones. O total ficou um pouco acima da meta de Wall Street, mas ainda reflete um cenário de queda global na demanda por novos smartphones. Com resultados positivos, a fabricante prometeu ainda a recompra de mais US$ 100 bilhões em ações, além de aumentar seus dividendos a 16%. 

A Apple já implementou alguns desses programas, mas os novos valores são um acréscimo substancial aos seus planos de retorno de capital. A fabricante do iPhone, porém, não informou datas para que isso venha a ocorrer, enquanto continua crescendo no setor. Desde 2012, quando a Apple começou com o programa de retorno de capital, até março de 2018, a empresa retornou US$ 275 bilhões, sendo US$ 200 bilhões em recompra de ações.

As receitas de serviços e em outros mercados como a China também seguiram crescendo. 

Receita do Q2
US$ 61,1 bilhões, em comparação com estimativas de analistas de US $ 60,86 bilhões. A Apple projetou entre US $ 60 bilhões e US $ 62 bilhões. É um aumento de 14% ano a ano

Lucro do Q2
US$ 2,73 por ação, comparado com estimativas de analistas de US$ 2,60 por ação

Vendas de iPhones Q2
52,2 milhões de unidades vendidas, ante as estimativas de Wall Street de 51,9 milhões

Receita na China Q2
US$ 13 bilhões, aumento de 21% ano a ano

Vendas de iPads Q2
9,1 milhões de unidades

Vendas de Mac Q2
4,1 milhões de unidades

Esse grande programa de retorno de capital deve manter os investidores felizes por algum tempo, enquanto a Apple continua a tocar a sua nova linha de iPhones. No ano passado, a empresa lançou o iPhone X — que foi amplamente elogiado, mas também levantou crítica sobre o preço de US$ 999 para o modelo mais barato. Isso é especialmente problemático internacionalmente, onde os consumidores podem não tolerar preços tão altos em celulares.