Microsoft tenta convencer que sua divisão para consumidores ainda não morreu

Mark Hachman | PCWorld (EUA)
01/02/2018 - 09h31
Mas Satya Nadella não foi muito convincente. Em reunião com acionistas, CEO destacou Xbox e jogos para PC. Crescimento no trimestre foi impulsionado por serviços corporativos

Enquanto a Microsoft continua a ser impulsionada por serviços corporativos e em nuvem, como o Azure, o CEO Satya Nadella tentou tranquilizar os analistas de que a companhia ainda possui uma estratégia de consumo: Xbox, jogos para PC e dispositivos alimentados por assistentes digitais como a Cortana. Mas ele não foi especialmente convincente.

Com o desaparecimento de produtos de consumo como o tocador de música Zune, o Groove Music Pass e os telefones Windows, alguns clientes se perguntaram se a Microsoft realmente tem uma estratégia de consumidor em mente. "Quando chego em casa à noite, estou falando com Alexa não com Cortana", disse um analista durante uma reunião com acionistas da Microsoft nesta quinta-feira (01).

"Nossa estratégia real em andamento não é apenas fazer um ótimo trabalho no console, mas também complementar isso com o trabalho que estamos fazendo no PC", respondeu Nadella.

O jogo para PC é um mercado em crescimento, disse Nadella, e o objetivo da Microsoft é reunir essas plataformas: através do serviço de assinatura Game Pass (uma oferta exclusiva para Xbox); e o serviço de transmissão Mixer, onde os jogadores podem se transmitir enquanto jogam games para PC ou Xbox; e jogos móveis, onde Nadella destacou o fato de que o Minecraft foi portado praticamente em tudo.

Azure para games

Nadella também mencionou que a empresa planeja aproveitar o Azure para impulsionar a área de games da companhia, embora não foi bem claro em como isso se dará. Mas vale lembrar que dois dias atrás, a Microsoft comprou a PlayFab, uma empresa que simplifica os serviços de back-end necessários para executar jogos online.

Essencialmente, disse Nadella, o objetivo da Microsoft é oferecer serviços de assinatura e serviços de transmissão em todos os dispositivos.

Foco da Cortana não é o consumidor

Em dispositivos, porém, Nadella foi muito mais vago. Aqui, disse Nadella, a Microsoft está encorajando o desenvolvimento da inteligência artificial em geral, seja o reconhecimento de fala ou imagem ou o gerenciamento de diálogo. As habilidades especiais que trabalham e jogam o trabalho ganharão a inteligência do Office 365. Nadella também disse que a companhia estava encorajando os desenvolvedores de outros dispositivos a conectá-los ao Windows: a Alexa da Amazon, por exemplo. "Nós daríamos as boas-vindas em nossos dispositivos", disse Nadella sobre Alexa.

Aqui, porém, Nadella teve a chance de mencionar o solitário alto-falante Harman Kardon Invoke, habilitado pela assistente inteligente Cortana,  mas ele não o fez. Nem ele mencionou os ambiciosos planos da Microsoft para incorporar a Cortana em vários dispositivos de consumo, como o carro-chefe. Nadella realmente caracterizou a Cortana como uma capacidade dos serviços cognitivos da Azure, e não como um agente voltado para o consumidor.

Crescimento

A Microsoft, entretanto, apresentou excelentes resultados para o segundo trimestre fiscal, com US$ 28,9 bilhões em receita, 12% acima quando comparada ao mesmo período do ano anterior. Os lucros não-GAAP foram de US$ 7,5 bilhões, um número significativo porque a Microsoft - juntamente como a maioria das outras empresas públicas - teve de incluir uma cobrança maciça de impostos como parte das novas regras fiscais dos Estados Unidos. Incluindo uma cobrança de US$ 13,8 bilhões, a Microsoft perdeu US$ 6,3 bilhões.

A receita de jogos aumentou, como costuma acontecer durante o quarto trimestre do calendário. As vendas totalizaram US$ 3,9 bilhões, uma alta histórica. Os assinantes do Xbox Live atingiram 59 milhões de usuários por mês. Naturalmente, a maior parte da receita de jogos veio do lançamento do console Xbox One X, disse a Microsoft.

"A Microsoft é uma das poucas empresas de tecnologia mais antigas que conseguiu virar a esquina e ser relevante na nuvem, na IA comercial e na IoT", disse Pat Moorhead, analista principal da Moor Insights. 

De acordo com Nadella, os resultados ajudam a mostrar que a nova estratégia da Microsoft,  "nuvem inteligente, vantagem inteligente", parece ter frutos. No entanto, a abordagem da Microsoft para o mercado consumidor parece ser o Xbox, algum jogo para PC - e algo mais.