AMD diz que arquitetura Zen 2 terá proteção contra falha Spectre

PC World / EUA
31/01/2018 - 13h55
Em call com analistas, fabricante também afirma que teve segundo trimestre seguido com lucro, graças ao sucesso dos processadores Ryzen e das placas Vega

Após anos de resultados ruins, a AMD registrou o segundo trimestre seguido com lucro, graças ao sucesso dos processadores Ryzen e das placas Vega. 

Os executivos da fabricante também afirmaram que planejam implementar mitigações contra a vulnerabilidade Spectre diretamente na ainda inédita arquitetura de chips Zen 2.

Confira abaixo alguns dos principais destaques dos anúncios feitos pela AMD durante a call com analistas para revelar seus resultados financeiros. 

1-Mitigações contra Spectre serão embutidas na arquitetura Zen 2

Se você tem seguido toda a saga das falhas de CPU Spectre e Meltdown, sabe que a Intel foi a fabricante mais afetadas pelas vulnerabilidades. A CEO da AMD, Lisa Su, voltou a falar que os chips da empresa não são vulneráveis à Meltdown nem a algumas versões de potenciais exploits com a Spectre.

“Para a variante 1 da Spectre, continuamos trabalhando ativamente com os nossos parceiros de ecossistema em mitigações, incluindo pacotes de sistema operacional que começaram a ser liberados”, afirmou a executiva. “Continuamos acreditando que a variante 2 da Spectre é difícil de ser explorada em processadores da AMD. No entanto, estamos desenvolvendo pacotes de microcódigos de CPU que, em parceria com patches de sistemas operacionais, fornecem camadas extras de proteção.”

Depois a CEO falou sobre as novidades de segurança para os próximos chips da companhia. “A longo prazo, incluímos mudanças em nossos futuros processadores, começando pela arquitetura Zen 2, para resolver ainda mais exploits no estilo do Spectre.” Vale notar que, dado o extenso roteiro de lançamentos da AMD, a arquitetura de próxima geração Zen 2 só deve chegar ao mercado em 2019. 

A Intel anunciou recentemente uma iniciativa similar para embutir proteções contra as falhas Spectre e Meltdown diretamente nos seus novos processadores.

2-A volta dos desktops e dos servidores

CPUs para desktops – especialmente versões de baixo custo como o Ryzen 3 – parecem ter ajudado a impulsionar as vendas da AMD no quarto trimestre, segundo a CEO da empresa, enquanto os chips Ryzen Mobile também começaram a acelerar o passo no final do ano.

O que chama mais a atenção é que a AMD começou a vender seus chips de servidores Epyc na nuvem Azure, da Microsoft, e empresas como Baidu. Isso não vai mudar o mercado de PCs, mas a receita do segmento corporativo é o combustível que pode impulsionar uma empresa para ter sucesso em longo prazo.

3-AMD volta a ter lucro

Apesar de as coisas poderem vir a mudar, parece que o trem da AMD está a todo vapor. 

A quantidade exata que a AMD ganhou não vai impactar diretamente na sua habilidade de comprar uma placa gráfica, mas a viabilidade financeira da fabricante significa que a Intel continuará tendo concorrência, o que deve baixar os preços dos PCs.

A receita da AMD no trimestre foi de 1,48 bilhão de dólares, valor 34% superior ao registro no mesmo período do ano anterior, quando a empresa teve prejuízo. Com isso, a renda líquida da fabricante foi de 61 milhões de dólares no quarto trimestre de 2017. 

Como esperado, a divisão Computing and Graphics, que inclui as vendas do Ryzen e da Radeon, teve um ótimo resultado, registrando aumento de 60% nas vendas na comparação ano a ano.

No entanto, um dos maiores indicadores sobre a confiança da AMD em si mesma foi mostrado há alguns dias, quando a empresa revelou o seu longo roteiro de lançamento. Você não mostra as suas cartas a não ser que confie na sua mão. E essa é uma ótima notícia para o mercado de PCs.