Ações da Amazon sobem e Jeff Bezos volta a ser mais rico do mundo

Da Redação
27 de outubro de 2017 - 18h00
CEO da gigante de e-commerce passou Bill Gates pela segunda vez em 2017. Resta saber se a posição será mantida desta vez.

Pela segunda vez em 2017, o CEO da Amazon, Jeff Bezos chegou ao topo do ranking como a pessoa mais rica do mundo ao superar novamente o cofundador da Microsoft, Bill Gates.

A escalada de Bezos aconteceu na manhã desta sexta-feira, 27/10, após as ações da Amazon subirem significativamente por conta dos bons resultados divulgados no balanço trimestral da empresa (veja mais abaixo). Foram dois aumentos, um de 8% em relação à quinta e outro de 2% em relação à abertura da bolsa.

Com isso tudo, a fortuna do CEO da Amazon cresceu mais de 7 bilhões de dólares e alcançou um total de 90,6 bilhões de dólares, superando Gates com seus 90,1 bilhões de dólares. 

Segunda vez no topo

Para quem não lembra, Bezos chegou a ocupar por pouco tempo a posição de mais rico do mundo em 27 de julho após uma alta significativa das ações da Amazon, que também fechou o segundo trimestre com bons resultados.

Amazon registra bons números

Responsável pela nova ida do seu CEO para o topo do ranking dos mais ricos do mundo, o balanço financeiro da Amazon registrou uma receita de 43,7 bilhões de dólares, bem acima das expectativas do mercado.

Bezos e Gates

Bezos começou a vender livros de sua garagem há 22 anos. E, aos 53 anos, ele não dá sinais que pretende diminuir o ritmo. O executivo é famoso por seu compromisso em tratar cada dia na gigante do varejo online como se a companhia estivesse em estágio inicial. A companhia também tem concentrado esforços em adotar e desenvolver tecnologias emergentes, como inteligência artificial, drones e robôs. Ao mesmo tempo, Bezos garante seu nome na história da exploração espacial privada com a Blue Origin, que tem como objetivo habilitar voos espaciais turísticos.

Gates, 61 anos, deixou o cargo de CEO da Microsoft em 2000 e desde então tem dedicado seu tempo a atividades filantrópicas, investindo nelas boa parte de seu dinheiro. Em 2010, criou com Warren Buffet a Giving Pledge, que pede a bilionários doarem parte de seu dinheiro ao longo de suas vidas. Mais de 150 nomes assinaram o acordo. Bezos não é um deles.