VP da Samsung é condenado a prisão por corrupção na Coreia do Sul

Da Redação
25 de agosto de 2017 - 11h07
Lee Jae-yong, de 49 anos, foi considerado culpado por suborno, perjúrio e fraude em caso que também levou ao impeachment da presidente Park Geun-hye no país.

O VP e provável herdeiro da Samsung, Lee Jae-yong, foi condenado a cinco anos de prisão por suborno, perjúrio e fraude em um caso conhecido de corrupção na Coreia do Sul. O advogado de Lee disse que irá apelar da decisão do tribunal.

Preso desde fevereiro, o executivo de 49 anos foi condenado nesta semana por um painel de três juízes do tribunal do distrito central de Seul, capital do país.

Apesar do cargo de VP, Lee é amplamente visto como o chefão de fato da companhia, comandando a fabricante em nome do seu pai, o presidente da Samsung Lee Kun-Hee, atualmente afastado do cargo por problemas de saúde desde 2014.

Vale lembrar que o pai de Lee, Kun-Hee, já renunciou ao cargo de chefão da Samsung em 2008 após ser considerado culpado em um escândalo de fundos levantados por meio de corrupção - ele acabou voltando ao cargo após receber um perdão presidencial. Por isso, pode ser que o executivo de 49 anos tenha chances de ser perdoado pelo governo local e suceder o pai oficialmente no comando da empresa. 

Entenda o caso

A participação da Samsung no esquema de fraude teria como foco principal a fusão de duas unidades afiliadas da gigante, a Cheil Industries e a Samsung C&T. O caso em questão teria ligação, inclusive, com o impeachment da ex-presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, que aconteceu em dezembro do ano passado.

A Samsung é acusada de doar dezenas de milhões de dólares para organizações sem fins lucrativos ligadas à Choi Soon-sil, uma amiga da agora ex-presidente Park. As doações teriam a intenção de conseguir suporte do governo local para uma fusão de duas empresas subsidiárias da Samsung.