Engenheiro demitido por texto contra diversidade processa Google

Da Redação
09/08/2017 - 18h42
James Damore foi dispensado pela empresa após afirmar que homens são mais predispostos biologicamente do que as mulheres para trabalhar no mercado de TI.

Após ser demitido pelo Google por publicar um polêmico contra a diversidade no final de semana, o engenheiro de software James Damore confirmou o que tinha dito em algumas entrevistas e entrou com uma ação na Justiça contra sua ex-empresa.

Segundo informações do Business Insider, o processo teve entrada no último dia 7 de agosto, mesmo dia da demissão do funcionário. O escritório de advocacia Paul Hastings será responsável por representar a empresa no caso. O nome de Damore não aparece listado na página do caso no National Labor Relations Board, mas o Business Insider diz ter confirmado a informação. 

Pouco foi revelado até o momento sobre a ação, cuja alegação foi classificada como "Coercive Statements (Threats, Promises of Benefits, etc.)" – “Afirmações Coercivas (Ameaças, Promessas de Benefícios, etc, em tradução livre)”, segundo reportagem do The Verge.

“Possuo o direito legal de expressar minhas preocupações sobre os termos e condições do meu ambiente de trabalho e de levantar comportamentos possivelmente ilegais, que é o que meu documento faz”, afirmou Damore em entrevista recente ao The New York Times.

Entenda o caso

Toda a confusão começou no final de semana, quando o engenheiro publicou um manifesto de 10 páginas contra a diversidade, em que dizia, entre outras coisas, que  os homens são mais predispostos biologicamente do que as mulheres para trabalhar no mercado de tecnologia e criticou as iniciativas do Google pró-diversidade.

O texto viralizou e causou um mal-estar, já que muitos funcionários se sentiram ofendidos com o seu conteúdo, enquanto que outros defenderam o direito de Damore se expressar.

Em meio a isso tudo, o CEO Sundar Pichai resolveu cancelar suas férias com a família para tentar solucionar o caso, decidindo demitir Damore por violar o código de conduta do Google.  Para Pichai, “muito do que estava no texto pode ser debatido de forma razoável”. No entanto, o CEO da gigante destaca que o engenheiro passou do ponto ao “reforçar estereótipos de gênero perigosos em nosso espaço de trabalho”. “Sugerir que um grupo dos nossos colegas possui características biológicas que os torna menos adequados para esse trabalho é algo ofensivo e não é aceitável”, afirmou o executivo em seu texto, intitulado “Our Words Matter” (“Nossas Palavras Importam”, em tradução livre), que foi enviado para todos os funcionários da companhia.