Amazon Web Services se esforça para atrair programadores Java

PC World / EUA
24 de maio de 2017 - 09h44
Para isso, empresa contraotu James Gosling, nada menos que o pai da linguagem de programação

A Amazon Web Services (AWS) tem oferecido por muito tempo um kit de desenvolvimento de software (SDK, na sigla em inglês) para tornar mais fácil o acesso a seus serviços na nuvem a partir do Java. Agora, a empresa “oferece” outra atração para programadores Java: James Gosling, nada menos que o pai da linguagem de programação.

Gosling, de 62 anos, revelou sua contratação pela AWS em sua página no Facebook com a seguinte frase: "É hora de uma mudança. Estou deixando a Boeing Defense [mais precisamente da Liquid Robotics, fornecedora de sistemas marítimos autônomos e desenvolvedora do robô de superfície Wave Glider, adquirida em 2016], com muitas boas lembranças. Hoje eu começo uma nova aventura na Amazon Web Services. "

O programador canadense assumiu o cargo de "engenheiro distinto" na AWS, segundo uma atualização de seu perfil no LinkedIn. Gosling começou a trabalhar no que mais tarde se tornaria Java no início dos anos 1990, quando trabalhava na Sun Microsystems, e continuou seu desenvolvimento até a aquisição da empresa em abril de 2009 pela Oracle, empresa que deixou um ano mais tarde, frustrado porque seu papel tinha sido reduzido ao de um evangelista do Java.

Após uma breve temporada no Google, Gosling se mudou para a Liquid Robotics, na qual, como arquiteto-chefe de software, programou Wave Glider e processou seus dados na nuvem.

A AWS tem apostado suas fichas nos desenvolvedores Java, oferecendo uma série de maneiras de executar aplicativos Java em sua nuvem, incluindo a implantação por meio de um único clique dentro do Eclipse IDE e implantação automatizada usando sua ferramenta de provisionamento Elastic Beanstalk.

A longa experiência de Gosling com Java — e mais recentemente com o processamento de dados em nuvem — fará dele um ativo na AWS. A Amazon, inclusive, tem testado a entrega de encomendas por drone nos EUA e no Reino Unido. Com a experiência de Gosling na construção de robôs autônomos, a empresa pode estar um passo mais perto de automatizar a cadeia de suprimentos global.