São Paulo recebe programa de aceleração de startups da Oracle

Erivelto Tadeu, Computerworld Brasil
20/04/2017 - 10h46
Capital paulista é uma das sete cidades do mundo a abrigar o programa, que teve seu projeto piloto lançado em abril de 2016, em Bangalore, na Índia

A Oracle vai estender seu programa de aceleração de startups, o Oracle Startup Cloud Accelerator, para mais sete cidades, incluindo São Paulo. Além da capital paulista, o programa, que teve seu projeto piloto lançado em abril de 2016, em Bangalore, na Índia,  será implantado em Bristol, na Inglaterra; Mumbai e Deli, ambas na Índia; e Paris.

Criado por membros da equipe de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da Oracle, o programa tem como objetivo fomentar a inovação e incentivar o empreendedorismo por meio da utilização das plataformas de cloud da empresa. Ele é parte também da estratégia da companhia de aproximação com o ecossistema de startups para impulsionar a criação de novas soluções em nuvem.

O plano, no entanto, não é dar apoio a startups para adquiri-las no futuro, mas impulsionar avanço das tecnologias em nuvem, segundo frisa Luiz Meisler, vice-presidente da Oracle para a América Latina. Ele prevê que a receitas de cloud da Oracle vi ultrapassar a de licenças de software (on premises) já em junho próximo.

O executivo ressalta que a nuvem está fazendo com que a Oracle  deixe de lado a imagem de empresa tradicional, voltada a produtos, para concentrar o foco em serviços, com a composição de uma rede de negócios. “E queremos estender essa rede e levá-la para um público mais amplo”, diz Meisler.

De acordo com Reggie Bradford, vice-presidente sênior de Ecossistema de Startups e Aceleradoras da Oracle Corp., que viajou ao Brasil para o lançamento do programa, a companhia está procurando empresas com as quais possa manter uma relação profunda. Por isso,  explica ele, serão apenas dez startups selecionadas por ano, em duas etapas.

A Oracle vai oferecer  seis meses de orientação de especialistas técnicos e de negócios, tecnologias avançadas, um espaço de coworking, acesso a clientes da empresa, parceiros de negócios e investidores, além de créditos livres para as soluções Oracle Cloud. “Cerca de 50 startups já indicaram que querem participar, o que é gratificante”, salienta Bradford.