Ação no Brasil destrói mais de 2 milhões de mídias piratas

Da Redação
03/12/2015 - 11h48
Ação da Associação Brasileira de Software acontece no Dia Nacional de Combate à Pirataria (03/12). Metade dos software no país são piratas.

Embora estejamos na era da cloud computing, Software as a Service (SaaS) e apps móveis, o mercado de software ainda convive com a pirataria de programas de computador usando como meio de distribuição CDs e DVDs. Nesta quarta-feira (3/12) a ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software), vai destruir 2,1 milhões de mídias com software ilegal para marcar o Dia Nacional de Combate à Pirataria.

O material é resultado das operações de busca e apreensão realizadas pelas autoridades nos últimos anos e estava armazenado sob responsabilidade da entidade até receber autorização judicial para ser destruído. A destruição será realizada pela empresa Plasnoi Comércio de Plásticos, por meio de um moinho triturador que fragmenta o material para reciclagem.

O diretor Jurídico da Abes, Dr. Manoel Antônio dos Santos, lembra que nos anos 80 o índice de pirataria no Brasil chegava a mais de 90%. Atualmente, embora o software tenha reduzido seu preço e o modelo de comercialização SaaS esteja em crescimento, a pirataria ainda representa 50% do mercado. Para acompanhar o mercado, a Abes usa o serviço de Monitoramento de Internet e recebe denúncias anônimas no portal http://www.denunciepirataria.org.br/.

Até novembro, segundo a Abes, o serviço de Monitoramento de Internet da ABES conseguiu remover cerca de 65 mil anúncios, links e sites com conteúdos que davam acesso a arquivos que violam o Direito Autoral de Software dos associados da entidade. “Trabalhamos há mais de três décadas e ainda temos metade dos programas de computador em uso Brasil sem autorização. Ainda há muito a se fazer a respeito da Propriedade Intelectual no Brasil”, diz Santos.