Philips desenvolve ferramenta de colaboração para 100 mil funcionários

CIO/EUA
12 de julho - 12h54 - Atualizada em 15 de março - 13h36
O CIO da fornecedora compartilha quatro questões que, segundo ele, foram fundamentais para o sucesso do projeto.

No início deste ano, os executivos da Philips – empresa que fornece equipamentos para os segmentos de saúde, energia e consumo – iniciaram um processo de seleção e desenvolvimento de uma plataforma colaborativa, utilizada hoje por 100 mil funcionários ao redor do mundo.

O projeto, conta o CIO do grupo Maarten de Vries, foi motivado por diversas questões. “Nós temos um ambiente disperso de TI e optamos pela implementação de uma ferramenta que permitisse a conexão entre as pessoas, bem como possibilidade que elas descobrissem umas as outras e compartilhassem informações”, detalha o executivo.

Por trás dessa necessidade também está o objetivo de estar alinhado com dois indicadores de performance do negócio: aumentar a colaboração dentro da empresa e a produtividade. “Trabalhamos muito com equipes virtuais, então necessitamos de uma melhor conexão. Existe um monte de conhecimento na companhia, mas precisamos de uma melhor forma de encontrá-lo”, detalha Vries.

Uma outra necessidade para a plataforma colaborativa foi o fato de que os funcionários já têm usado de forma intensiva as redes sociais, como o caso do Facebook e do Twitter.

Depois de explorar diversas soluções, o CIO e sua equipe selecionaram uma aplicação, a Socialcast, como provedora da plataforma colaborativa, a qual foi integrada ao SharePoint 2010. A solução, chamada internamente de “Connect Suite”, integra e-mail, chat, VoIP, conferências na internet e publicação de blogs, entre outros recursos.

Com o intuito de testar a aceitação do sistema, a TI da Philips lançou um piloto da plataforma, durante um mês, para um grupo de mil usuários. E o resultado foi um sucesso, conta Vries. Animado com os resultados, no início de maio, logo após a conclusão dos testes, expandiu a solução para o resto da companhia.

Em apenas oito semanas, a plataforma atingiu 11 mil usuários. “Inicialmente, nossa expectativa era de que a solução fosse usada por 10 mil pessoas até o final deste ano”, relata ao CIO, informando que a aceitação superou qualquer expectativa.

Leia mais na Computerworld.

Kristin Burnham