Detido, cracker adolescente austríaco fez 259 ataques em apenas três meses

IDG News Service
18 de abril de 2012 - 10h00
Segundo polícia federal, jovem de 15 anos invadiu sistemas de empresas nacionais e estrangeiras por se sentir entediado.

Autoridades austríacas detiveram um adolescente de 15 anos suspeito de promover 259 ataques a sites em apenas três meses. Segundo a Polícia Federal do país, ele confessou o crime.

O jovem é acusado de roubar e danificar informações, obtidas ilegalmente de sites e banco de dados, além de publicá-las. Ele teria invadido o sistema de centenas de companhias e instituições públicas de diversos países entre janeiro e março deste ano.

Antes de iniciar a ofensiva o adolescente procurava vulnerabilidades e erros de programação nos possíveis alvos. Em seguida, utilizava uma ferramenta para roubar credenciais e dados pessoais, e, por vezes, os compartilhava pelo Twitter. Ele também tinha o costume de entrar em portais apenas para alterá-los – prática conhecida como defacing.

Leia mais: Hacker adolescente quebra segurança do Chrome e ganha US$ 60 mil

De acordo com a polícia, o jovem só praticou tais atos por se sentir entediado e porque queria provar a si mesmo do que era capaz. Os danos causados ainda não foram calculados, pois a investigação ainda está em curso.

O caso mostra o quão vulnerável grande parte dos sistemas é, falha que se torna ainda mais grave considerando a afinidade que os jovens hoje em dia possuem com a tecnologia, afirmou a ministra do interior da Áustria. Segundo ela, é comum encontrar novos hackers tentando construir uma identidade a partir de ataques ilegais e se tornando delinquentes. Embora pereçam simples travessuras, os delitos não deixam de ser bastante sérios.

Crimes online costumam ter jovens como seus autores. Mais de 10% de incidentes do tipo na Áustria em 2011 envolveram usuários com idade entre 10 e 21 anos, 17% ocorreram na faixa entre 21 e 25 anos e 46% foram provocados por pessoas entre 25 e 40 anos. A polícia afirmou que investirá em prevenção a partir da educação, ensinando os estudantes sobre as armadilhas da Internet.

(Loek Essers)