5 motivos para não se deixar levar pelo 'hype' dos smartphones 5G em 2019

Michael Simon, PC World (EUA)
06 de dezembro de 2018 - 07h45
Primeiros aparelhos com quinta geração móvel chegarão no ano que vem, mas quem terá acesso a eles?

Nós já sabíamos que 2019 seria o ano em que os primeiros telefones 5G se tornariam disponíveis para compra, mas mesmo antes do giro do calendário, a bola já está começando a rolar. A Samsung e a Verizon anunciaram nesta semana (em breve, também a AT&T) que farão uma parceria para entregar um telefone 5G no primeiro semestre de 2019, trazendo velocidades Wi-Fi para redes móveis. 

Mas a teoria soa mais descolada que a prática, claro. Enquanto os primeiros telefones capazes de oferecer 5G terão o direito de se gabarem, o benefício para os consumidores não será tão grande, especialmente para a primeira geração de aparelhos. Enquanto 5G é certamente o futuro e alguém tem que ser o primeiro, você pode não querer sair correndo para comprar qualquer telefone 5G Samsung lançado no ano que vem. Aqui estão cinco razões para você esperar:

As redes ainda estão sendo construídas

Em outubro, a Verizon lançou nos Estados Unidos o primeiro serviço 5G do mundo com uma série de ressalvas: limitado a certas áreas, ele só funciona dentro de sua casa e não usa a mais nova especificação 5G NR. E o telefone não pode se conectar a ele. Embora a Verizon e outras empresas tenham falado sobre a prova de conceito de rede 5G para smartphones, o serviço ainda não foi implementado, então o primeiro telefone 5G ainda estará usando o LTE. A Verizon e a AT&T prometem que ambas estarão lançando redes móveis 5G no ano que vem, mas o serviço será extremamente limitado. Então, esses primeiros telefones 5G provavelmente não funcionarão de fato até pelo menos 2020, se não mais.

A duração da bateria pode piorar

Sempre que um novo chip ou tecnologia é lançado, a maior dúvida é: como isso afetará a vida útil da bateria? E a resposta com 5G é que não se sabe. Lá atrás, quando os primeiros telefones LTE chegaram, eles eram assassinos de bateria, e levou algumas revisões até que pudéssemos manter o LTE ligado o tempo todo e ainda ter um telefone que durasse a maior parte do dia. Há uma boa chance de os primeiros modems 5G terem os mesmos efeitos prejudiciais na duração da bateria, até que a tecnologia amadureça e os fabricantes de chips e telefones trabalhem juntos para otimizar as novas velocidades.

É provável que seja controlado por operadoras

Mesmo que a AT&T também esteja trabalhando no telefone, o fato de a Verizon ter uma janela de exclusividade e ser a primeira operadora a fazer o anúncio sugere que o lançamento será muito amarrado e controlado pelas operadoras. E isso provavelmente será o caso por um tempo. A mesma coisa aconteceu quando os primeiros telefones LTE chegaram e demorou um pouco até que pudéssemos comprar um telefone e simplesmente trocar um cartão SIM. E os consumidores já sabem que celulares exclusivos nunca são uma coisa boa, com preços baixos, atualizações terríveis e suporte medíocre.

Provavelmente vai custar muito

A nova tecnologia custa dinheiro, e os primeiros telefones 5G certamente terão um prêmio sobre os LTE. E não apenas não temos ideia de quanto custará o primeiro telefone 5G da Samsung, mas também não sabemos quanto a Verizon cobrará pelo serviço, o que certamente custará mais do que o padrão LTE. A Verizon está cobrando US$ 50 por mês pelo seu serviço de internet sem fio 5G Home, além do serviço sem fio existente.

O iPhone não terá a tecnologia

O maior motivo para ser cético em relação ao primeiro telefone 5G da Samsung é a Apple. Na sequência de rumores recentes, a Bloomberg informou esta semana que o iPhone não estará recebendo um modelo 5G até pelo menos 2020, o que significa que a tecnologia não terá suporte adequado até então.