Drone adaptado e programado com AI ajuda na coleta de lixo nos oceanos

Da Redação
09 de agosto de 2018 - 13h00
Phantom 4 da DJI realiza mapeamento de captura de imagens e classificação de objetos; Projeto é encabeçado pela organização Plastic Tide

Cerca de 78 milhões de toneladas de plástico são produzidos por ano no mundo - sendo a maioria embalagens de alimentos utilizadas apenas uma vez e descartadas, segundo levantamento da The Plastic Tide. A organização ambiental, baseada no Reino Unido,  mapeia a quantidade de lixo encontrada nos oceanos e mostra quais tipos de materiais e volumes prevalecem na natureza. O objetivo do trabalho é revelar e aliviar a quantidade de lixo nos oceanos.

Estima-se também que 25 milhões de toneladas desse lixo acabam indo para o meio ambiente, levando até 100.000 anos para se decompor completamente. Com esse cenário, a maior dificuldade do grupo de voluntários era o monitoramento das praias. Agora, o projeto conta com o auxílio de um drone da DJI para aprimorar e escalar o trabalho. 

A organização adaptou um drone DJI Phantom 4 com tecnologia de inteligência artificial que aprende com imagens capturadas, além de identificar e classificar os objetos recolhidos. O drone reconhece a concentração de poluição graças a alguns algoritmos de aprendizado implantados na máquina e detecta remotamente acúmulo de plástico. 

drone-lixo_imagens

“O uso do drone foi essencial e nos permitiu capturar imagens detalhadas das praias que precisávamos para a próxima etapa do projeto“, contou Peter Kohler, fundador da The Plastic Tide.

Durante os testes, foi possível alcançar a forma ideal de coleta, obtendo imagens mais detalhadas usando modos de voo manuais para pesquisar praias em altitudes mais baixas. 

O equipamento, moldado pela organização, já auxilia no planejamento, uma vez que com os dados coletados é possível traçar estratégias e encontrar a melhor solução para a coleta do lixo.