3 razões pelas quais o novo Surface Go da Microsoft supera o iPad

Michael Simon, Pcworld (EUA)
12/07/2018 - 10h37
E outras três razões que fazem dele uma alternativa questionável frente ao tablet da Apple

Não é coincidência que a Apple tenha lançado uma série de vídeos do iPad poucas horas antes de a Microsoft lançar seu tablet mais acessível, o Surface Go. Os quatro anúncios de 15 segundos destacam a capacidade do iPad de facilitar tarefas diárias, como documentações, embalagem e viagens. 

Mas, agora, a Microsoft tem um forte concorrente ao iPad, em sua versão mais básica (vendida a US$ 329). Com valor de US$ 399 e uma tela de 10 polegadas, o Surface Go não é apenas o tablet Surface mais barato da Microsoft, como é um dos tablets com os recursos mais interessantes e mais acessíveis do mercado. E pode ser um investimento melhor do que o iPad de 9,7 polegadas. Separamos algumas razões que colocam o Surface Go a frente do dispositivo da Apple e outras que o deixam para trás. 

Porque o Surface Go bate o iPad

É um computador. O Surface Go básico pode ser muito parecido com o iPad da Apple, mas por dentro é um verdadeiro PC com Windows, 4 GB de RAM, 64 GB de armazenamento e um processador Intel Pentium 4415Y de 1,6 GHz. Isso dificilmente é o melhor em termos de PCs, mas é impressionante para um tablet. 

Para comparar, o iPad de 9,7 polegadas possui metade da quantidade de memória RAM, metade do armazenamento e um processador de dois anos atrás. Por ter um processador Intel, o Surface Go executa um conjunto completo de aplicativos do Windows ao invés de versões móveis simples, como o iPad. 

Mas o que realmente dá ao Surface Go uma vantagem sobre o iPad é sua capacidade de expansão. Como o iPad de 9,7 polegadas e o Apple Pencil, o Surface Go inclui suporte para a Surface Pen da Microsoft, mas ele também pode ser usado com um teclado Surface Type Cover e Surface Mobile Mouse. Ou seja, ele pode ser utilizado como um laptop. 

Conexão com monitor 

O Surface Go não seria um verdadeiro PC se não pudesse ser conectado a um monitor. O novo tablet pode alimentar um monitor full 4K a 60Hz. Como o Surface Book 2, é preciso um adaptador USB-C ou o Surface Dock para colocá-lo em funcionamento. O usuário pode, inclusive, usar monitores duplos, se preferir, mas a taxa de atualização cairá para 30Hz. 

Tem reconhecimento facial 

A Microsoft adicionou o suporte ao Windows Hello ao novo tablet para que o usuário possa desbloqueá-lo apenas olhando para ele. Embora não seja tão seguro quanto o mapeamento 3D de 30 mil pontos da Apple, ainda é uma maneira rápida e conveniente de manter o tablet bloqueado, e é muito melhor do que precisar pressionar o dedo em um botão todas as vezes. 

Porque o iPad é melhor que o Surface Go 

É mais barato. 

Embora US$ 399 seja um ótimo preço para o Surface Go, ele não é tão barato quanto parece. Os verdadeiros custos vêm com os acessórios. Ao comprar uma caneta, um mouse e um capa, o preço total pode passar de US$ 600. A Apple também cobra US$ 99 pela sua caneta, mas o pacote inteiro sai por menos de US$ 450. Sem dúvida, os periféricos não são cruciais para a experiência completa do iPad, como são para o Surface. 

Provavelmente é mais rápido 

Enquanto o processador que alimenta o Surface Go é uma parte do Intel Pentium em vez de um chip Atom de consumo ultrabaixo, o tablet da Microsoft não vai impressionar ninguém com sua velocidade. O chip de 14 nm é baseado na arquitetura Kaby Lake da Intel, que é uma geração atrás dos novos chips Coffee Lake. 

O iPad também roda um chip A10 mais antigo, mas as otimizações do iOS da Apple provavelmente dão uma vantagem sobre o Surface Go. 

A duração da bateria é melhor 

A Microsoft diz que o Surface Go tem nove horas de duração da bateria, aproximadamente 10% a menos do que as 10 horas estimadas pela Apple para o iPad. Isso não seria tão ruim se não fosse a realidade dos outros dispositivos Surface da Microsoft: a empresa classificou o 2017 Surface Pro em até 13,5 horas, mas nos testes durou apenas oito horas. 

>Siga o IDG Now! também nas redes sociais. Estamos no Facebook, Twitter e Instagram