Por que a Apple tem demorado para lançar seu carregador sem fio?

Lucas Mearian, Computerworld (EUA)
04/07/2018 - 15h47
Empresa anunciou o chamado AirPower há cerca de um ano; Recentes reportagens sugerem que desafios técnicos atrasaram o lançamento

Já faz quase um ano que a Apple anunciou que lançaria um carregador sem fio para seus iPhones, com lançamento do chamado AirPower previsto para este ano. Os especialistas especularam que o lançamento seria em fevereiro ou março, mas pode ser que o item entre no mercado apenas em setembro (exatamente um ano após o anúncio).

Na época de seu anúncio, a Apple disse que o AirPower seria capaz de carregar três dispositivos ao mesmo tempo: um iPhone 8 ou iPhone X, um Apple Watch Series 3 e AirPods. Porém, como já existem carregadores com essa capacidade, a dúvida que fica é: por que a Apple está demorando tanto para lançar seu próprio carregador?

No mês passado, um artigo da Bloomberg afirmou que fontes teriam dito que os engenheiros da Apple estavam se esforçando para tentar resolver obstáculos técnicos, ainda que estivessem concedendo ao mercado de carregamento sem fio a concorrentes terceirizados. A Apple recomendou, inclusive, que os usuários adquirissem as bases sem fio da Mophie e da Belkin para usar com o iPhone 8 e iPhone X.

Ambos os carregadores são vendidos a US$ 50. Mas, para Jack Gold, principal analista da J. Gold Associates, a Apple deverá cobrar mais pelo seu carregador. “A Apple não quer somente lançar outro carregador sem fio. Ela quer acrescer um pouco de sua própria marca ao dispositivo. É por isso que está demorando tanto”, diz.

É provável que a empresa lide com vários problemas que não estão presentes nos atuais carregadores de terceiros, como o ajuste da corrente elétrica e a duração do carregamento de cada dispositivo colocado nele.

Isso significa que ela precisa colocar alguma inteligência no carregador e a expectativa é que ele tenha recursos adicionais, já que terá um processador interno. A Apple também está pensando em considerar recursos como sincronização entre dispositivos e conectividade Bluetooth.

“Isso significa que muitos testes devem ser feitos para garantir a adequação do carregamento e que não danificarão quaisquer dispositivos que a Apple tenha no mercado”, complementa Gold.

Para o vice-presidente de pesquisa do Gartner, Mark Hung, pela demora para o lançamento do dispositivo, a equipe da engenharia da Apple pode ter encontrado um desafio um pouco mais difícil do que o esperado.

Os atuais carregadores sem fio, que permitem que até três dispositivos sejam ligados ao mesmo tempo, exigem que eles sejam colocados em locais específicos – como um X escrito na base. Mas, provavelmente, no AirPower, os dispositivos poderão ser colocados em qualquer lugar.

A Apple deverá usar o Qi, a especificação de carregamento sem fio mais popular, suportada por mais de 230 empresas, incluindo Samsung, Sony, Delphi Automotive e Energizer. O padrão suporta tanto carregamento sem fio acoplado quanto indutivo, permitindo que o dispositivo móvel ativado fique a até 1,75 polegadas de distância do carregador e ainda assim receba a energia.

A distância permite que os dispositivos móveis sejam posicionados mais livremente em volta do carregador, sem precisar ser colocado em um local exato para receber energia. Os dispositivos de carregamento Qi são capazes de diminuir a escala de menos de 1 wall a mais de 2.000 W de energia para carregar aparelhos grandes. Mas, para dispositivos móveis, ele transmite até 15 W, permitindo o carregamento na mesma velocidade do carregamento com fio. 

A expectativa é que o carregador da Apple suporte um “carregamento rápido”, que transferirá 7,5 W de energia.