Conheça a Byton, startup de veículos autônomos que promete incomodar Elon Musk

Por Carla Matsu, de Xangai*
13/06/2018 - 17h43
Empresa apresentou na CES Asia novo sedan elétrico conceitual, que propõe mudar a nossa relação com o carro. Veículo chega ao mercado chinês em 2021

A startup automotiva Byton lançou-se ao mercado em 2016 com a ambição de levar para os carros a mesma experiência e relacionamento que nós desenvolvemos com nossos smartphones. Um objetivo que, inicialmente, pode soar amplo dada a dimensão que nossos telefones assumiram em nossas vidas. Mas o que a empresa quer, em resumo, é criar um relacionamento, digamos, mais íntimo e pessoal, entre usuário e o seu carro. Afinal, hoje em dia você até pode pensar em viver sem um, mas saia de \ casa sem seu telefone e o dia será perdido. Agora, dois anos depois, a startup parece estar no caminho certo, tendo concluído captação Série B de US$ 500 milhões e com planos que podem jogar sombra à fabricante de veículos elétricos de Elon Musk, a Tesla.

Nesta quarta (13), Daniel Kirchert, cofundador da startup subiu ao palco da CES Asia para detalhar os planos para os próximos dois anos e exibiu pormenores a respeito do design de referência e da tecnologia do chamado K-Byte Concept. Na noite anterior, em evento privado da CES, os fundadores revelaram, pela primeira vez, o sedan elétrico autônomo que deve atingir as ruas da China em 2021.

Um carro que se propõe a redefinir o relacionamento com seus usuários em pleno ano 2020 precisa ser um que poderia muito bem ter saído das páginas de algum enredo de ficção científica direto para sua garagem. Bem, a Byton planeja seguir por aí mesmo. Em resumo, o K-Byte que vimos hoje na CES Asia é um veículo cujo painel é substituído por uma espécie de grande smartphone e todas as interações poderão ser feitas por comandos de voz ou gestos. A startup anunciou parceria com a gigante chinesa Baidu (o Google da China) para desenvolver a inteligência artificial que alimentará a interface do usuário com o veículo. Quer ir até um restaurante ou precisa deixar um colega no trabalho? Peça, em voz alta, ao K-Byte e ele o fará sem você precisar colocar as mãos no volante.

Modo autônomo e sensores retráteis

Muitas fabricantes de veículos têm demonstrado suas visões para veículos autônomos que dispensariam o motorista de sua principal função, por isso mesmo, têm até tirado o volante do carro. Mas para além das questões de segurança, o que muitas parecem desconsiderar é que há pessoas que, simplesmente, gostam de dirigir. O novo sedan conceito da Byton tem isso em mente.  

A companhia firmou parceria com a empresa Aurora, que desenvolve tecnologia autônoma para veículos, para desenvolver um programa de direção Nível 4, definido como um estado onde o carro consegue operar sem o controle humano, mas apenas em condições específicas. Ao final de 2020, as duas planejam ter uma frota de veículos com capacidades autônomas pronta para teste e preparar produção em massa com entregas iniciais, na China, em 2021. 

A grande sacada do K-Byte são sensores retráteis. A maioria dos carros autônomos que vemos até agora tem radares e câmeras que deixam claro que você está diante de um carro “sem motorista”. Já o conceito da Byton oferece radares discretos que, assim como um teto retrátil, podem surgir e se esconder quando o usuário quiser ativar o modo autônomo. Situações em que qualquer pessoa acha incômodo dirigir, como estacionar, os sensores automaticamente surgem para iniciar o trabalho sujo para você. Segundo a companhia, os sensores combinam tecnologia LIDAR, este que vai no teto do veículo, e outros laterais da própria Byton. Em conjunto, eles fazem a digitalização panorâmica do contexto do veículo. O carro elétrico oferecerá autonomia para até 520 km com apenas uma carga e, em apenas, 30 minutos na tomada, atingirá 80% da capacidade da bateria.

byton-cars1

Confie no seu carro

A Byton utilizará de uma série de recursos de inteligência artificial para entregar carros que conseguem automatizar a sua rotina. A startup apresentou habilidades de reconhecimento facial para abrir a porta do carro e recursos de ativação de voz. Se você ainda não se acostumou a conversar com o Google Assistente ou a Siri que habitam seu smartphone, espere para ter conversas mais longas com o carro da startup.  A Baidu, que também conta com esforços na área de carros autônomos, será a parceira para oferecer essa tecnologia. Segundo Daniel Kirchert, a ideia é que o carro aprenda cada vez mais com o usuário, podendo, eventualmente antecipar toda a sua rotina e oferecer uma experiência cada vez mais personalizada. A ideia aqui é fazer dos carros novos assistentes pessoais “humanizados” para você também confiar sua vida a eles.

Carros autônomos oferecem uma nova visão de produtividade para aqueles que tiverem as condições de ter um na garagem. Uma vez que você não precisa mais dirigir e se estressar no trânsito, você poderá usar do seu tempo para responder a e-mails ou quem sabe iniciar videoconferências. Com uma tela que cobre todo o painel, o K-Byte também poderá exibir filmes e séries para você não ficar entediado.

Afinal, da onde surgiu a Byton?

A Byton fez manchetes em janeiro deste ano durante a CES Las Vegas, quando apresentou, pela primeira vez, uma SUV elétrica no pavilhão dedicado a carros da feira de produtos eletrônicos. O veículo de design futurista, com tela interativa que também tomava todo o painel, atraía a atenção de quem passava. Entrar nele se tornou uma atividade concorrida. Na ocasião, a startup fazia sua estreia global e ecoava o conceito por trás de “o carro será o próximo smartphone”. 

A startup tem base na China, com fábrica em Nanjing, e seus carros chegarão primeiro ao mercado chinês. Mas a startup gosta de se posicionar como uma empresa global, com escritório no Vale do Silício, EUA, e em Munique, Alemanha. Seus fundadores são empreendedores alemães com histórico em grandes montadoras e outros executivos também já passaram por empresas de tecnologia, como o Google e Apple.

Durante a CES Asia, a Byton anunciou que completou rodada de investimentos Serie B, captando US$ 500 milhões. Entre os investidores está a montadora chinesa FWA, uma das quatro maiores da China. " Somos a primeira startup de automóveis a ser investida por uma fabricante de carros tradicional”, ressaltou Kirchert que mora na China há mais de 20 anos.

Os prazos da Byton miram um calendário próximo. O modelo SUV anunciado em Las Vegas deve inaugurar as estradas já em 2019. O novo K-Byte trabalha com lançamento na China em 2021. Depois, a companhia levará seus carros para o mercado norte-americano e o europeu. 

Dado os esforços em novas tecnologias e prazos ambiciosas para um tradicional mercado automotivo, há quem compare a Byton a uma nova Tesla. Em certo momento do keynote, Kirchert tentou afastar alguma comparação: “Nossa visão é diferente da Tesla, teremos que entender melhor o cliente local na China”, ressaltou quando falou sobre lançamento das lojas físicas locais. 

A Byton não anunciou valores para o novo modelo. A SUV elétrica, que chega antes, será vendida pelo preço inicial de U$ 45 mil. 

*Jornalista viajou a Xangai a convite da CTA (Consumer Technology Association)