Android P terá recursos com IA e ferramentas contra vício em celulares

PC World / EUA
08/05/2018 - 17h34
Google anunciou diversos novos recursos para a próxima versão do seu sistema operacional móvel, que chega no segundo semestre.

O Android P está se moldando para ser um update substancial do sistema operacional móvel do Google, com novos recursos impulsionados por Inteligência Artificial (IA), uma grande mudança em navegação, e um pacote de ferramentas para tentar curar o vício em smartphones.

A gigante de buscas liberou um preview do Android P para desenvolvedores em março, mas anunciou muitos outros recursos nesta terça-feira, 8/5, durante a abertura da sua conferência para desenvolvedores I/O – a atualização chega ao público geral ainda neste ano.

IA em todo lugar

No Android P, o Google está usando as suas habilidades em IA para melhorar a duração de bateria. Ao prever quais aplicativos você deverá usar em um determinado momento, e fechar outros apps que estão rodando em segundo plano, o Google diz que pode reduzir o uso da GPU em 30%. O Android P também vai aprender como os usuários ajustam o brilho da tela em situações diferentes, e tentará fazer essas mudanças por conta própria.

androidp201805.jpg

Os desenvolvedores de apps terceirizados também poderão acessar a IA do Google. Isso porque um conjunto de ferramentas chamado ML Kit vai ajudá-los a adicionar recursos como detecção facial, reconhecimento de texto, detecção de monumentos, e respostas inteligentes aos seus aplicativos.

Upgrades de interface

Fazer as coisas de forma mais rápida é outro foco importante para o Android P. Um recurso chamado “App Actions” vai sugerir atalhos de aplicativos de terceiros, tanto dentro do launcher de apps do Android quanto a partir da barra de buscas. Os usuários poderão abrir rapidamente um artista do Google Play Music a partir do app launcher.

Também há uma ferramenta chamada “Slices”, parecida com o App Actions, que permitirá que partes da interface de um app apareçam em outros lugares da interface Android. Enquanto busca por um Uber, por exemplo, você poderá ver um botão “Home” juntamente com o tempo estimado de viagem, distância e custo.

androidp201802.jpg

Para acelerar ainda mais a navegação, o Android P pegará uma "página" do iPhone X e oferecerá uma barra de menu baseada em gestos. No lugar do botão Home, os usuários verão um ícone no formato de um comprimido/pílula na parte inferior da tela, que eles podem deslizar para revelar apps recentes e sugeridos.

Outro movimento de deslizar o dedo para cima revelará a bandeja de aplicativos. Os usuários também podem deslizar o dedo na horizontal para mudar entre os apps recentes. (As fabricantes de aparelhos não precisarão usar essa barra de menu, mas ela estará disponível como padrão nos smartphones Pixel e Android One.)

Melhorias menores

Como costuma acontecer, o Android P também incluirá algumas melhorias menores – mas ainda agradáveis. Apertar as teclas de volume não irá mais ajustar a altura do toque por padrão. Em vez disso, elas controlarão o volume de mídia, para que o aparelho não comece a tocar inesperadamente o áudio de um vídeo ou música. O acesso rápido para opções de silenciar e vibrar ainda estará disponível, e o slider de controle de volume completo vai mudar do topo do aparelho para a lateral, logo ao lado dos botões físicos. 

A trava de rotação também vai se tornar menos irritante. O Android P detectará automaticamente quando o smartphone estiver no modo paisagem e oferecerá um botão de atalho para mudar a orientação.

Contra o vício em smartphones

Por fim, o Android P também vai lidar com o problema cada vez maior do vício em smartphones. O recurso Dashboard (Painel) permitirá que os usuários monitorem quanto tempo passam em cada aplicativo. Os desenvolvedores podem refinar o painel com estatísticas mais granulares caso queiram. (O YouTube, por exemplo, mostrará o tempo total de visualização em todas as plataformas.) Caso esteja usando muito um determinado app, você poderá configurar um limite de tempo, depois do qual o ícone do aplicativo ficará cinza para desencorajar o uso.

androidp201803.jpg

Além disso, o Android P também adicionará um recurso chamado “Shush”, que ativa automaticamente o modo Não Perturbar (Do Not Disturb) quando o smartphone é posicionado com a tela virada para baixo.

Um novo modo chamado “Wind Down” é feito para desencorajar o uso do smartphone antes de dormir, habilitando o Não Perturbe e mudando a tela para escala de cinza.

androidp201804.jpg

O Android P será lançado no segundo semestre, mas já está disponível como um beta público em 11 smartphones. Além do Pixel e do Pixel 2, o beta também pode ser baixado no Essential phone, Nokia 7 Plus, Oppo R15 Pro, Sony Xperia XZ2, Vivo X21UD e X21, e no Xiaomi Mi Mix 2S.