CEO do Uber deixa o cargo em meio a maior crise da empresa

Da Redação
13/06/2017 - 14h44
Travis Kalanick confirmou licença da empresa após investigação sobre casos de assédio e outros problemas pedir mudanças na plataforma de transporte.

O CEO do Uber, Travis Kalanick, confirmou nesta terça-feira, 13/6, os rumores do início da semana e disse que irá tirar uma licença da empresa após a morte da sua mãe em um recente acidente de barco.

“Nos últimos oito anos, a minha vida tem sempre sido sobre o Uber. Os eventos recentes me fizeram ver que as pessoas são importantes do que o trabalho, e que eu preciso tirar um tempo fora do dia-a-dia para lamentar a morte da minha mãe, que eu enterrei na sexta-feira, para refletir, para trabalhar em mim mesmo, e focar em construir uma equipe de liderança do mais alto nível”, afirma o executivo em um e-mail enviado para toda a empresa agora há pouco.

A saída de Kalanick acontece em meio a pior crise do Uber, que desde o início deste ano sofreu vários golpes, incluindo a saída de alguns dos seus principais executivos, as acusações de assédio de uma ex-funcionária e e um processo do Google que a acusa a companhia de roubar milhares de documentos secretos – o funcionário acusado do crime foi recentemente demitido da plataforma.

Vale notar ainda que o Uber publicou nesta terça-feira, 13/6, os resultados da investigação sobre os casos de assédio na empresa feita pelo ex-procurador geral dos EUA, Eric Holder – cuja participação no caso foi criticada pelo fato dele possuir ligações públicas com a empresa.