Testamos o LG G6: um smartphone bonito, mas não especialmente inovador

Por Jason Cross - Greenbot
27 de fevereiro de 2017 - 14h07
Durante da MWC 2017 experimentamos o LG G6, o novo topo de linha da LG que apresenta o recurso de tela dupla

O novo LG G6 tem um display particularmente alto e estreito. E é isso. Essa é a "diferença". Esse é o recurso teoricamente destinado a capturar sua atenção e fazer você pensar "que este é o telefone que PRECISA ter". O smartphone foi mostrado pela LG neste final de semana na abertura da MWC 2017

Claro, o G6 tem todas as outras coisas que esperamos de um carro-chefe topo de linha no início de 2017. Tem um processador high-end, o Snapdragon 821. Ele também tem USB-C com Quick Charge 3.0, impermeabilização e câmeras traseiras duplas. Mas o display alto 18:9 é a coisa que realmente faz este smartphone diferente de todos os outros disponíveis. Um display 18:9 se justifica, diz a LG, porque todos querem smartphones com telas maiores mas ainda querem algo que possam segurar e usar com uma só mão.

Para isso, o G6 é um sucesso. Você ganha uma grande área de visualização de 5,7 polegadas, que é perfeita para aplicações de rolagem vertical, e a "testa e queixo" acima e abaixo da tela são metade do tamanho que você está acostumado. O resultado é um telefone da mesma altura que um Galaxy S7 Edge de 5,5 polegadas, mas ainda mais estreito e, portanto, mais confortável de segurar. A resolução de 2880x1440 é nítida, as cores são vibrantes, ea tela ainda suporta HDR, incluindo os formatos HDR10 e Dolby Vision.

Sólido e confiável

O telefone vem com o Android 7.0 mas, se não fosse o fato de ser o primeiro telefone fora do Pixel a ser lançado com o Assistente do Google, você provavelmente nunca saberia. A interface é muito semelhante à dos últimos telefones LG com Android 6.0.

Apesar de ter vidro na frente e verso, o telefone parece sólido. Ele não torce ou dobra, e os lados de metal dão uma aparência e sensação robusta. Há duas câmeras na parte traseira, como no G5 e no V20, com a diferença de que estão alinhadas com a superfície do corpo agora. O leitor de impressões digitais traseiro é quase totalmente alinhado também, com apenas um pequeno círculo levantado em torno dele para que você possa sentir sua presença. Este leitor de impressões digitais tem um movimento de clique suave já que funciona como o botão Home.

O telefone IP68 é resistente à água, o que significa que é certificado por 30 minutos de submersão em 1,5 metros de água. Este tipo de coisa é útil quando pensamos que previne acidentes na piscina, privada, na chuva ou na pia, mas tem um custo: a bateria removível deixa de existir. A bateria do G6 está selada agora para garantir a impermeabilização.

A confiabilidade é um ponto chave de marketing do G6. A LG diz que os cantos arredondados da tela ajudam a reduzir possíveis danos nas quedas. Ser "plano" dá ao G6 uma ligeira vantagem de durabilidade sobre os rivais. Um sistema de refrigeração interno foi projetado para manter o telefone funcionando frio. E a LG ainda submeteu as baterias a um "teste de punção" (literalmente perfurando a bateria carregada com um prego para provar que ela não explode), que, aliás, têm um separador mais grosso entre o cátodo e o ânodo do que o explosivo Galaxy Note7.

Há uma versão do LG G6 com 64GB de armazenamento onboard, mas você não vai conseguir a menos que more na Coréia, Hong Kong, ou outros mercados asiáticos. Na Europa, EUA, Oriente Médio, e outros mercados, o telefone virá com 32GB (mas pelo menos há um slot para cartão microSD). Isso tudo é muito frustrante. Presumivelmente essa é uma maneira de reduzir o preço do telefone (que ainda não foi anunciado), mas as pessoas que compram um telefone topo de linha como este querem tudo.

Os telefones principais da LG tendem sempre a trazer um recurso diferenciado estranho. Com o G6, é quase como se a LG estivesse jogando deliberadamente em segurança. Mesmo a exibição 18: 9 não é realmente uma inovação louca - é esperado que o Galaxy S8 terá uma exibição semelhante, e há rumores de que a Apple dizem que pelo menos um modelo de iPhone este ano vai fazer algo semelhante.

Literalmente tudo o mais é algo que já vimos e francamente, esperamos, de um telefone caro. Câmeras duplas, impermeabilização, USB-C com carregamento rápido, carregamento sem fio ... estes não são recursos para virar jogo. Eles são exigências mínimas para ser um flagship em 2017.

Isso não faz o G6 ruim, veja bem. O tipo de recursos que ele traz representa uma mudança para a LG, e vamos ter que usar o telefone um pouco mais para ver onde ele chega.

ACOMPANHE AQUI A COBERTURA DO MOBILE WORLD CONGRESS 2017