Criminosos brasileiros clonam contas de WhatsApp para pedir dinheiro

Da Redação
13/02/2017 - 18h23
Uma das vítimas no Rio Grande do Sul teve prejuízo de cerca de R$100 mil com golpe.

Cibercriminosos brasileiros contam com a ajuda de funcionários de operadoras de telefonia para clonar contas no WhatsApp e então pedir dinheiro para amigos e familiares das vítimas. As informações são do Fantástico, da TV Globo, que exibiu reportagem sobre o golpe neste domingo, 12/2.

De acordo com o programa, na última semana pelo menos 10 pessoas entraram em contato com a Delegacia de Crimes de Informática de Porto Alegre, no RS, para denunciar o novo golpe.

Pelo esquema, um funcionário da operadora tira o celular da vítima do ar e então habilita o número para um celular em poder dos criminosos, permitindo assim que eles assumam o controle daquela conta no WhatsApp e enviem mensagens para os contatos da vítima para fazer pedidos por dinheiro.

No caso que mais chamou a atenção, um empresário da capital gaúcha teve um prejuízo de cerca de 100 mil reais depois que os criminosos clonaram seu número e começaram a fazer os pedidos de transferências e até de pagamentos de contas diretamente para a sua secretária, replicando o comportamento da própria vítima com a funcionária.

Em outro, a vítima conseguiu perceber que havia algo de errado após pouco tempo, mas não o suficiente para evitar o prejuízo de cerca de cinco amigos, que transferiram entre 2.500 reais e 3 mil reais cada para as contas dos criminosos. "Por sorte, a minha irmã estava do lado e pegou o celular dela. Eu disse 'perdi o sinal e perdi o WhatsApp, não consigo utilizar'. Ela disse 'mas tu acabou de me mandar uma mensagem' e nessa mensagem era um pedido de acesso à conta do banco", lembra o médico em entrevista à TV Globo.

Apesar de o golpe ter atingido o Rio Grande do Sul apenas mais recentemente, uma quadrilha foi presa em julho de 2016 no Maranhão acusada de aplicar um golpe do mesmo tipo - entre os seis presos no ano passado estava um funcionário da Vivo, que seria responsável por desabilitar os números das vítimas para permitir a ação dos criminosos.

A polícia gaúcha, inclusive, trabalha com a hipótese de que os responsáveis pelo golpe no Rio Grande do Sul sejam os mesmos criminosos presos no Maranhão em 2016. Isso porque todos estão soltos atualmente e a maioria das transferências das vítimas do RS aconteceram para contas no estado nordestino.

Mais segurança

Vale notar que o WhatsApp lançou oficialmente na última semana um novo recurso (opcional) de segurança que deve dificultar ações criminosas desse tipo. Desde a última quinta-feira, 9/2, o aplicativo liberou para todos os aparelhos iOS, Android e Windows Phone a chamada autenticação em duas etapas, que só libera o acesso ao aplicativo após o usuário utilizar uma segunda camada de segurança.

No caso do WhatsApp, o segundo fator de segurança é um código de seis dígitos, escolhido pelo usuário, que precisará ser digitado sempre que um novo smartphone for registrado para aquela conta