Uber cede e interrompe testes com carros autônomos em San Francisco

PC World / EUA
22 de dezembro de 2016 - 10h35
Empresa se comprometeu a não retomar testes na Califórnia até receber as permissões para os seus 16 veículos.

O Uber interrompeu seus testes com carros autônomos em San Francisco, nos EUA, e concordou em trabalhar com órgãos reguladores locais para obter as permissões corretas para 16 veículos de testes. A iniciativa é uma admissão de erro pelo Uber, que na semana passada tinha argumentado que não precisava obter essas permissões.

Tal afirmação fez com que as autoridades locais exigissem que os carros sejam retirados das ruas imediatamente com a ameaça de uma ação judicial caso isso não acontecesse.

O Uber argumentou que seus carros não exigiam permissões de carros autônomos porque eles não entravam na definição da lei de veículos autônomos. A empresa disse que seus carros exigiam um motorista no banco da frente o tempo todo, e que por isso não seriam autônomos, mas mais parecidos com os automóveis da Tesla com o avançado software de piloto automático.

No entanto, as autoridades da Califórnia não “compraram” tal argumento e nesta quarta-feira, 21/12, o diretor de relações públicas do Uber conversou com o secretário da Agência de Transportes da Califórnia, Brian Kelly, para dizer a ele que os carros da empresa tinham sido tirados das ruas.

O Uber também sinalizou que não retomará os testes com os carros autônomos na Califórnia até receber as permissões do governo.

Entrar neste programa de permissão não custará ao Uber mais do que algum tempo preenchendo papelada e uma taxa de 150 dólares, mas trazem uma importante providência que a empresa terá de cumprir: todos os acidentes envolvendo os carros, seja no modo de direção autônoma ou não, precisam ser relatados ao governo.

A Califórnia publica esses relatórios na Internet, então os testes do Uber agora ficarão sujeitos a uma análise maior por parte do público e da imprensa.