Brasil deve ultrapassar as 100 milhões de conexões 4G até 2019

Da Redação
22 de dezembro de 2016 - 14h12
Conexões de banda larga móvel representarão mais de 91% das linhas totais do mercado em três anos, tanto que a tecnologia GSM terá uma participação menor de 10%

O mercado móvel do Brasil terá uma evolução em acessos LTE representando 47,9% das linhas móveis em 2019, de acordo com dados da consultoria Teleco fornecidos a associação setorial 5G Americas. Assim, o mercado mudará e irá superar 100 milhões de conexões utilizando a 4G.

Os acessos por meio de terminais de dados incrementam a participação em conexões para aproximar-se de 12,1% em 2019. A expansão de conexões com velocidades superiores a 10 Mpbs aumentará a pressão sobre as operadoras rurais de banda larga para que aumentem as velocidades oferecidas aos clientes.

No total, os acessos de banda larga móvel representarão 91% das linhas móveis disponíveis no mercado em 2019. Espera-se que o rápido crescimento da LTE também seja catalizador para uma aceleração no desenvolvimento de fibra óptica para transporte em áreas que atualmente não contam com essa tecnologia, diferente do que já acontece em prédios recém-construídos que contam com fibra óptica em sua estrutura desde sua construção.

Os acessos celulares 4G LTE no mercado brasileiro alcançaram 49,4 milhões em termos nominais no terceiro trimestre deste ano. Estas conexões foram o principal fator de crescimento de acessos de banda larga móvel, que chegaram a 180,9 milhões neste período, 1,2% a mais que o registrado no terceiro trimestre de 2015.

A composição das linhas de banda larga móvel mostra que as catalogadas como 4G passaram de 18,2 milhões para 49,4 milhões entre o terceiro trimestre de 2015 e igual período de 2016 (veja infográfico abaixo). Em contraste, as conexões 3G passaram de 160,6 milhões para 131,5 milhões neste mesmo período (uma redução de 18%) e as conexões denominadas como terminais de dados passaram de 5,7 milhões no terceiro trimester de 2015 para 4,8 milhões no mesmo período deste ano (18,6% menos).

Segundo a Teleco, a cobertura das redes celulares LTE tem mantido seu crescimento neste ano. No terceiro trimester, 60,7% da população contou com cobertura em ao menos uma rede desse tipo, o que indica que em um ano observou-se um crescimento de 13,4 pontos percentuais.