Novo chip da Nvidia é um supercomputador dos carros sem motorista

IDG News Service
23/08/2016 - 13h53
Fabricante apresentou o Drive PX 2, cujo poder de computação suporta até 12 câmeras e camadas de segurança que evitam que o chip seja hackeado
Comprar um carro autônomo pode estar em um futuro próximo, mas certifique-se antes que ele tenha um processador capaz de evitar que o veículo não entre em problemas com a polícia de trânsito. 
 
Carros autônomos poderão tomar decisões oportunas e mais precisas com o novo chip Nvidia Tegra, batizado como Parker. O chip tem o poder de computação para permitir que carros autônomos reconheçam uma ampla gama de sinais, objetos e faixas. Fora isso, o Parker também consegue entregar vídeo 4K para sistemas de entretenimento em carros. 
 
Detalhes do chip foram apresentados pela primeira vez na conferência Hot Chips esta semana em Cupertino, Califórnia. 
 
O chip da Nvidia é para veículos o que chips Intel Core são para PCs. Ele oferece uma grande potência de computação para veículos autônomos, considerada uma nova forma de computação "mobile" por fabricantes de chips.  
 
O anúncio também levanta questões sobre se a Nvidia vai colocar chips Tegra em dispositivos móveis e computadores de bordo como o Jetson. 
 
Em um post publicado em seu blog, a fabricante coloca o Parker como um "processador móvel que irá equipar a próxima geração de veículos autônomos."  
 
Como seu antecessor Tegra X1, o Parker é projetado para baixo consumo de energia e operação da bateria. A empresa não imediatamente compartilhou detalhes sobre outros usos para o chip. 
 
A Nvidia tem ficado fora do mercado de smartphones, e o futuro do Tegra em tablets está em questão. No ano passado, o Tegra X1 foi usado no tablet da Google Pixel C, e o ultrapassado  Shield Tablet da Nvidia usa o Tegra K1, o antecessor do X1. 
 
O chip Parker já é utilizado na unidade PX 2 da Nvidia, um computador que fica no porta-malas do carro. O Drive PX 2 será utilizado pela Volvo em testes de estrada com o seu veículo utilitário XC90 no próximo ano. 
 
As montadoras e pesquisadores também estão desenvolvendo carros autônomos com o Drive PX 2, disse a Nvidia. O Drive PX 2 faz os cálculos pesados ​​de modo que veículos autônomos podem fazer o seu trabalho, mas o computador também deve consultar os serviços de computação em nuvem para a formação e reconhecimento de objetos.  
 
O computador suporta modelos de aprendizagem profunda de empresas como Google, Baidu, Microsoft e Facebook. O chip Parker foi otimizado para processar dados relativos a uma variedade de modelos de aprendizagem profunda.  
 
Em termos de configurações, o Parker tem quatro núcleos de 64 bits Cortex-A57 baseados na arquitetura ARM, e dois núcleos de CPU Denver 2.0 Ele possui camadas de segurança para evitar que o chip seja hackeado.  
 
A Nvidia ressalta que o Parker supera outros chips, uma afirmação que outros fabricantes de chips baseados em ARM, como a Qualcomm e a Apple podem contestar. 
 
No entanto, vale ressaltar que suas CPUs estão rapidamente saindo de moda. Os núcleos Cortex-A57 estão sendo substituídos pelos núcleos mais rápidos e eficientes Cortex-A72.  
 
Mas a GPU do Parker afasta a competição. Ele tem uma GPU de 256 núcleos baseada na mais recente arquitetura gráfica Pascal, e o desempenho é importante para a computação visual. 
 
Câmeras capturam imagens e, em seguida, trabalham com a GPU e algoritmos para reconhecer objetos, alertas e sinais. Para se ter uma ideia, o chip suporta até 12 câmeras.  
 
A GPU suporta codificação baseada em hardware e decodificação de vídeo 4K com base nos codecs H.265 e VP9. A Nvidia ainda afirma que pode suportar a reprodução de três telas 4K e exibe a 60 quadros por segundo. Gamers ficariam contentes caso a Nvidia decidisse lançar um novo tablet Shield com o chip Parker. O Parker suporta vídeo LPDDR4 e é feito utilizando um processo de produção de 16 nanometros.