Intel apresenta novos chips que poderão alimentar robôs, drones e realidade virtual

IDG News Service
19/08/2016 - 10h04
Última geração de chips ostenta melhorias impressionantes. Mecanismo de processamento de imagem pode acelerar a computação visual
CEO da Intel, Brian Krzanich, durante a IDF 2016 em São Francisco
 
 
Em 2009, Tim Cook, CEO da Apple, criticou netbooks alimentados com chips Atom por serem grosseiros e não apresentarem uma boa performance. Desde então, os chips Atom vieram de um longo caminho, com a última geração chamada de Broxton, ostentando as melhorias mais impressionantes. 
 
Os novos Atom T5500 e 5700 apresentam recursos encontrados em processadores para PCs de entrada, porém, ao invés disso, os chips têm como alvo robôs, drones, wearables e dispositivos inteligentes para casa. Uma característica de destaque é a codificação e decodificação para 4K, que poderia permitir que os chips sejam usados em óculos de realidade aumentada e virtual. 
 
Durante a Intel Developer Forum nesta semana, a Intel apresentou óculos inteligentes, um robô bartender e um capacete inteligente com os chips Broxton. A fabricante também anunciou que os chips poderiam ser usados para armazenamento e media servers. 
 
Vale lembrar que no início desse ano, a Intel descontinuou abruptamente os chips Atom para smartphones. Na ocasião, a companhia informou que pararia de fabricar os chips Broxton, mas aparentemente parece ter mudado de ideia. 
 
Os mercados para os chips Broxton se alinham com o foco da companhia nos crescentes mercados de realidade virtual e Internet das Coisas. Logo, a empresa tenta posicionar os chips Atom para dispositivos além de PCs, mercado que enfrenta quedas. 
 
No entanto, ao longo dos últimos meses, a Intel tem suavizado sua posição sobre como os chips Atom poderiam ser usados. Segundo a empresa, o Broxton poderia ser usado em tablets corporativos, e há uma possibilidade remota de que fabricantes de dispositivos usarão os novos chips Atom em PCs de entrada ou ainda minicomputadores do tipo Chromebox. 
 
Os novos chips Atom darão suporte ao Windows 10 desktop, Windows 10 IdC Core, Linux, Android, e os VxWorks. Você pode obter o novo chip Atom através da mais recente placa para desenvolvedor Joule da Intel, que como Raspberry Pi 3, é destinado a pessoas que procuram construir dispositivos. Nos Estados Unidos, a placa Joule 570x sai por US$ 369 e conta com um processador T5700 1.7GHz Atom, 4GB de RAM LPDDR4, 16GB de armazenamento, e 802.11ac Wi-Fi. 
 
A Joule pode ser uma solução cara, porém excelente com servidor de mídia com suporte para 4K e a mais recente tecnologia Wi-Fi. Os chips T5500 e T5700 são baseados na mais recente arquitetura Goldmont da Intel, que também estará nos próximos chips Celeron e Pentium batizados de Apollo Lake. Os chips consomem apenas de seis a 12 watts de potência. 
 
As capacidades de vídeo 4K vêm graças ao processador gráfico integrado aprimorado, o Gen9, que também está no atual lote de chips da Intel baseados na arquitetura Skylake. Os chips podem suportar até três DisplayPort 4K e HDMI exibe a uma taxa de atualização de 60 Hz.  
 
A computação visual tem se tornado importante, especialmente com robôs, drones, e carros autônomos contando com câmeras para controle de movimentos e gestos e reconhecimento de imagem. 
 
Nesse contexto, os chips Atom têm um mecanismo de processamento de imagem de próxima geração que pode acelerar a computação visual. Existe também uma melhoria de 50% a 80% da largura de banda de memória em comparação com o chip de núcleo anterior, com base na arquitectura Silvermont lançado em 2015, de acordo com a Intel. Também há suporte para correção de erro, que estava anteriormente disponível apenas em chips para servidores Atom.