Xiaomi deixa de lançar e produzir smartphones no Brasil

Da Redação
26/05/2016 - 10h41
No entanto, empresa chinesa, que chegou ao mercado brasileiro há menos de um ano, nega que todas essas mudanças signifiquem uma saída definitiva do país.

Menos de um ano após sua chegada oficial ao Brasil, a Xiaomi já anunciou uma reestruturação total das suas operações no país, o que inclui deixar de lançar novos aparelhos por aqui, transferir boa parte da equipa para a China e interromper a produção local. 

No entanto, em entrevista ao Android Pit, o VP internacional da empresa, o brasileiro Hugo Barra, nega que isso tudo signifique uma saída em definitivo da Xiaomi do Brasil.

Com apenas dois smartphones lançados no Brasil até agora, os modelos de entrada Redmi 2 e Redmi2 Pro, a Xiaomi diz que não lançará novos aparelhos por aqui “em curto prazo”, mas não explicou exatamente o que esse período englobaria. De qualquer forma, como já estamos praticamente na metade de 2016, dificilmente a empresa traria novos aparelhos para cá ainda neste ano.

Barra apontou “as mudanças constantes nas regras de fabricação e na tributação para as vendas via e-commerce no Brasil no final de 2015” como os motivos para a fabricante desistir de lançar novos produtos no mercado brasileiro.

Segundo o executivo, a Xiaomi iniciará um programa beta junto aos consumidores brasileiros com a intenção de receber feedback para decidir quais serão os próximos lançamentos da empresa por aqui.

As duas versões do Redmi 2 continuarão sendo vendidas no país, mas de maneira totalmente diferente do que previa o modelo da empresa quando chegou por aqui, que privilegiava apenas a venda direta pela sua loja on-line. Em vez disso, os dispositivos ficarão disponíveis por meio das parcerias locais da Xiaomi, que inclui a operadora Vivo e uma variedade de redes de varejo.

A produção desses aparelhos não será mais feita localmente, mas o executivo não apontou se essa mudança poderá acarretar em um aumento de preços.

Equipe transferida

Com todos esses cortes, que incluem a transferência dos setores de Marketing e Social Media do Brasil para Pequim, a Xiaomi ficará basicamente apenas com uma presença virtual em nosso país com a manutenção das seguintes áreas: e-commerce, suporte ao cliente, assistência técnica, logística, finanças e gerência geral.

Até o fechamento da reportagem, a assessoria da Xiaomi Brasil não tinha respondido aos nossos pedidos de comentários sobre o assunto. Em sua página no Facebook, muitos usuários questionavam os rumos da empresa no país.